free web
stats

TrainSpotter nº42

A publicação digital portuguesa TrainSpotter dedicada às temáticas da ferrovia, já se encontra disponível na edição que compila os meses de janeiro e fevereiro de 2014.  Pedro André assina o editorial da TrainSpotter  nº 42 .

.

2014, um novo ano que começa, uma nova esperança para um caminho-de-ferro melhor. 2013 foi mais um ano vazio, entre muitos outros. O ano ficou marcado por acidentes misteriosos e, como em tantos outros, por supressões de serviço devido à falta de material circulante ou a uma rede e gestão insuficiente, por greves e vulgarização de estudos que nunca saem do papel.

Até a Trainspotter escorregou, que pela força das circuntâncias das festividades do Natal, respeita agora os meses de Janeiro e Feveiro de 2014. Uma desculpa de mau pagador, mas manter um ritmo alto nos tempos livres de amor à camisola nem sempre é possível.

De 2013 podemos, no entanto, encontrar algumas situações ferroviárias positivas que poderiam servir de impulso para um futuro mais risonho. Os Intercidades até Braga, o comboio “Celta”, a modernização da Linha do Algarve e a circulação do Comboio Presidencial, são sem dúvida algumas boas notícias, porém tímidas, claro. Mesmo a apresentação do novo Directório da REFER não apresenta grandes novidades, destacando-se a intenção de electrificação do Ramal do Porto de Aveiro e da Linha do Minho e parte da Linha do Douro. A experiência diz-nos, no entanto, que este directório mais não é do que um conjunto de interesses políticos que acabam por ficar guardados no fundo de gavetas à espera de melhores dias e do próximo assalto ao Orçamento. O dinheiro não abunda, os projectos normalmente não são os melhores, e por isso se pede uma racional aplicação dos fundos financeiros, evitando cometer os erros do passado.

  Na passada edição abordámos o estado da Rede Ferroviária Nacional. Assim, e continuando o trabalho que temos vindo a apresentar nos últimos tempos em prol da ferrovia, é chegada a altura de darmos a devida atenção ao material circulante. Esperamos que sirva para dar a conhecer mais intimamente a realidade do material que a cada minuto circula na rede ferroviária nacional e durante 365 dias por ano.

Não poderia de maneira nenhuma deixar uma palavra de apreço ao PTG, que tanto tem feito no caminho-de-ferro em Portugal como se viu em 2013, embora marcado pela perda de alguém inestimável como era Graham Garnell.

Parabéns também a todo o pessoal envolvido na recuperação do Comboio Presidencial, desde o pessoal da Fundação do Museu Nacional Ferroviário, passando por todos aqueles que, na EMEF e noutras áreas, deram o seu melhor para colocar sobre carris um comboio tão simbólico. Que o projecto não fique por aqui e que o futuro do MNF seja ainda mais sorridente e atractivo para todos aqueles que gostam de comboios e da componente ferroviária.

Desejo um óptimo 2014 a todos aqueles que nos acompanham e que connosco colaboram, deixo um grande abraço a toda a equipa da redacção que tem conseguido apresentar a Trainspotter mensalmente apesar das dificuldades habituais que um projecto destes apresenta. Feliz 2014!

.

A revista digital TrainSpotter é editada pela equipa do Portugal Ferroviário.