free web
stats

Mérida com corredor ferroviário ao Porto de Lisboa e Sines

conteParque_O Grupo Conteparque (Grupo) através da participada Área Logística da Bobadela (ALB), assegura desde o início do mês de Fevereiro a ligação ferroviária de mercadorias entre  Mérida, na região da Extremadura espanhola, e Lisboa. Em duas ligações semanais, a ALB responde pela solução logística,  CP Carga e Renfe asseguram a tracção da parte ferroviária, e onde participa também a  Desarrollo Logistico Exremeño com o terminal de Mérida.

A oportunidade ferroviária da ligação intermodal da ALB,  surge através de operadores portugueses de linhas de navegação, e acordos de parceria já existentes do  Grupo em Espanha para colocação de carga à exportação.  ” Traziamos diariamente 10 a 15 viaturas que foram tiradas da estrada e passadas para a ferrovia”, revela Lourenço Silva Administrador da Conteparque, referindo-se ao entendimento com o Executivo da Extremadura, e carregadores locais, no transporte regular de carga à exportação por rodovia que levou à opcção pelo modo ferroviário.

.

Loureiro Silva, Administrador da Conteparque, deu à webrails.tv uma ideia arquitectura e suporte da operação que liga Lisboa a Mérida.

.

Ao nível das soluções a operação da ALB na parte ferroviária é servida pela regularidade dos operadores  CP Carga em Portugal e Renfe em Espanha. Apresenta um comboio bloco de carga contentorizada de 44 Teu’s, mas de acordo com a CP Carga, “a ligação pode oferecer flexibilidade de soluções de transporte ajustado à mercadoria com o aumento da frequência.” Uma situação que poderá acontecer com o aumento para três ligações semanais através da entrada de novos carregadores  com outros produtos para além do Tomate, que suporta actualmente a operação.

A ligação, com forte componente ferroviária, é essencialmente virada à exportação espanhola. Na arquitectura logística compreende também no processo, o acesso aos portos nacionais de Lisboa com “agulha aberta” a Sines, e o suporte das linhas de navegação portuguesas para o acesso aos mercados.

Rui Ribeiro

. Artigo integral AQUI .