free web
stats

Comboio Presidencial sai dentro de momentos

img : Jorge Lopes

No passado dia 27 Março o Comboio Presidencial do Museu Nacional Ferroviário (MNF) voltou a circular para uma saída até Vila Nova de Famalicão. Tratou-se da segunda viagem , de quatro programadas, no âmbito das Viagens Presidencias para valorizar a composição, e destacar o trabalho de recuperação do equipamento.

De acordo com Jaime Ramos, Presidente da Fundação Museu Nacional Ferroviário, as quatro viagens fazem parte do Projecto de conservação e restauro do Comboio Presidencial, por outro lado refere que se realizam com o apoio de 3 autarquias. ” Quatro viagens ainda no ambito do QREN, nestas viagens que nos propusemos fazer com o apoio das três camaras [ Vila Nova de Famalicão, Entroncamento e Faro ], e que vão fazer essas viagens, e depois  no futuro passaremos para o privado.”

img : Jorge Lopes

Com a apresentação do Comboio Presidencial em Lisboa,  e a deslocação a Vila Nova de Famalicão, duas viagens estão feitas. A ida a Vila Velha de Rodão anuncida  pela CM do Entroncamento para o dia dos Museus está agendada. A faltar fica uma saída  que aponta para ser até  Faro.

A propósito da exploração do Comboio Presidencial como potencial produto turistico, avançou Jaime Ramos  ”  Sabemos que temos um produto para oferecer. Vamos num futuro próximo, e isso também está a ser equacionado, junto das empresas e dos operadores, oferecer  este produto sempre que seja possível, para que as pessoas possam usufruir de uma peça que é única e emblemática no país.” Embora ainda nada esteja defenido para a Fundação, sobre qual o modelo exploração comercial para o Comboio Presidencial, a solução previligiada poderá passar por um operador turistico.

.

Em conversa com a webrails.tv, a  região do Médio Tejo foi  uma das zonas referêncidas por Jaime Ramos como de particular interesse para este produto.

Um trabalho de pesquisa de oportunidades que já está a ser feito. A presença da  Fundação  na edição de 2014 da BTL é um exemplo. Onde, para além das expectativas que as apresentações sobre o futuro Museu Nacional Ferroviário, e Comboio Presidencial, levantaram na audiência, o Comboio Presidencial despertou o interesse do Turismo da Região Centro ” onde houve manifestação de interesse da parte da região de turismo,  para nos sentarmos e pensar o modelo de exploração deste novo produto turistico.”  Revelou fonte da Fundação presente no evento.

.

img: Jorge Lopes

Outra questão abordada junto de Jaime Ramos passou pela valorização de arquivo, e aproveitamento do equipamento num extenção de materiais complementares didáticos, ou históricos que alimentem interessados e curiosos. Neste aspecto o presidente da Fundação deu conta poderá sair em breve uma publicação sobre o processo de restauro.

Um outro aspecto que importa destacar nas viagens presidenciais  vem do facto do Comboio Presidencial propriamente dito só existir ao nível de  carruagens. À época a tracção do comboio devia ser então escolhida tendo em conta a que melhor serviria os interesses  da viagem para conduzir o salão do chefe de Estado, o salão restaurante, o salão dos ministros, salão da Comitiva e Segurança, e o furgão, não exisitindo por isso uma máquina de referência. O outro aspecto passa pela FMNF não ser uma empresa ferroviária, e mesmo num cenário com locomotivas operacionais, não tem certificação para circular na rede nacional à imagem de um operador ferroviário.  Como ainda não existe nenhum desvio à regra geral na regulamentação que autorize e regule a Fundação a operar os seus comboios, o papel dos principais fundadores é referência para o sucesso de toda a operação ferroviária cultural  promovida pela Fundação no presente e futuro.

img : Jorge Lopes

Fonte da CP-Comboios de Portugal, quando questionada sobre qual o suporte da empresa  na operação do Comboio Presidencial, lembrou que é uma das entidades Fundadoras da Fundação Museu Nacional Ferroviário Armando Ginestal Machado, e que tem assumido essa responsabilidade. “Como a Fundação não é uma empresa ferroviária, na parte operacional ao nível de disponibilizar quadros ou solicitar  marcha e canal horário, para além de fornecer a tracção das carruagens do Comboio Presidencial.”

Para terminar, embora o tema do artigo se centre no contexto do Comboio Presidencial, é importante  sublinhar, que a grande prioridade da Fundação na actualidade passa pela abertura do Museu Nacional Ferroviário ao público. Situação que não tem ainda data defenida, embora já tenha sido apontada, derivado a problemas técnicos no armazém de viveres, um núcleo importante na estrutura do Museu, motivo pelo qual o responsável pela Fundação  não se quis comprometer com qualquer data para assinalar a abertura do Museu Nacional Ferroviário.

 Texto : Rui Ribeiro

Reportagem Fotográfica : Jorge Lopes

Acesso reservado Arquivo