free web
stats

Conclusão da repação de Ressano Garcia é apontada para esta sexta-feira

 mzPonterGarciaOs trabalhos de reparação dos pilares da ponte danificada na Linha de Ressano Garcia, entre Maputo e África do Sul, já estão quase terminados.  O diário de Maputo “Noticias”, de quarta-feira, apontava o dia de hoje (9 Março) para a conclusão dos trabalhos.

Citado pelo jornal, o diretor de engenharia da Portos e Caminhos-de- ferro de Moçambique ( CFM ), João Mabote, disse que a próxima etapa será  substituir o tabuleiro da ponte. A obra de arte foi destruída no acidente de meados de fevereiro, quando uma composição de mercadoria proveniente da  África do Sul descarrilou.

O acidente causou o encerramento da linha de Ressano Garcia. A alternativa passou ser o corredor de Goba, realizando-se o trafego de mercadorias entre o Porto de Maputo e África do Sul, através Suazilândia.

No entanto Mabote não conseguiu responder aos jornalistas qual o volume de mercadorias transportado por essa solução. Apenas referiu que existem “restrições à circulação” das mercadorias transportadas, derivado aos trabalhos em execução numa ponte  já perto de Maputo.

A linha de Goba tem uma extensão de 226 km. Tem início no porto de Maputo e segue até ao complexo industrial de Matsapa na Suazilândia. Em teoria, comporta comboios até 50 vagões, a uma velocidade até 60 quilômetros por hora.

A maior parte do corredor de Goba, em ambos os lados da fronteira Moçambique / Suazilândia, encontra-se em bom estado de conservação. Trabalhos de via e obras recentes, de substituição das solipas de madeira por concreto, e  carris soldados, contribuíram para ser uma solução ativa.

O escoamento de mercadorias da Swazilândia por ferrovia, para o porto de Maputo, tem sido essencialmente açúcar e ferrocrómio. O Açúcar representa mais de 200.000 toneladas por ano, em exportada através do porto de Maputo.

A linha do Limpopo, entre Maputo e o Zimbabwe, também se encontra encerrada à circulação. Motivada por danos causados ​​pelas inundações no rio Limpopo. Mabote referiu que as equipas de engenharia CFM estão trabalhar na província de Gaza para reparar a linha.

Os problemas ferroviários, especialmente a linha de Ressano Garcia, estão causar prejuízos sérios. O porto de Maputo  receia  que  empresas sul-africanas possa desviar as exportações para outros portos, e Maputo não consiga recuperar esses tráfegos.