free web
stats

PN’s e ATV concluídos Linha do Minho

img : Adriao

img : Adriao

Dando continuidade ao Plano de Acção para a Segurança no Atravessamento da Via Férrea foram concluídos, na Linha do Minho, os trabalhos relativos às empreitadas de supressão de um atravessamento de via (ATV) e seis passagens de nível (PN), mediante a construção de uma passagem superior pedonal, duas passagens inferiores rodoviárias, uma passagem inferior pedonal e uma passagem superior agrícola e concluído o processo de automatização de outros dois atravessamentos.

A construção da passagem superior pedonal ao km 6,660, na zona de fronteira entre os apeadeiros de Águas Santas e de Palmilheira, Freguesias de Águas Santas e de Ermesinde, Concelhos de Maia e Valongo, respectivamente, permitiu suprimir o ATV existente ao km 6,653. Esta empreitada, cujo protejo foi da autoria da REFER Engineering (empresa do Grupo REFER), teve um investimento associado de cerca de 360 mil euros, tendo os trabalhos sido executados pela empresa Conduril – Engenharia, SA.

A construção da passagem inferior rodoviária ao km 53,291, na União de Freguesias de Barcelos, Vila Boa e Vila Frescaínha (São Martinho e São Pedro), da passagem inferior pedonal ao km 53,500, na Freguesia de Abade de Neiva, e da passagem superior agrícola ao km 55,329, na Freguesia de Silva, todas do Concelho de Barcelos, permitiram suprimir quatro PN – aos km 53,163, 53,463, 53,652 e 55,563. Esta empreitada, cujo projeto foi da autoria da empresa Globalvia, SA, teve um investimento associado de cerca de 1,1 milhões de euros, tendo os trabalhos sido executados pela empresa Lúcio da Silva Azevedo & Filhos, S.A.

Também no Concelho de Barcelos, a construção da passagem inferior rodoviária ao km 58,877, na União das Freguesias de Campo e Tamel (São Pedro Fins), permitiu suprimir duas passagens de nível – aos km 57,775 e 58,049. Esta empreitada, cujo projecto foi da autoria da empresa Globalvia, SA, teve um investimento associado de cerca de 580 mil euros, tendo os trabalhos sido executados pela empresa Alexandre Barbosa Borges, SA.

A gestão, coordenação e fiscalização das empreitadas atrás referidas foi assegurada pela REFER Engineering.

“As PN agora suprimidas haviam sido identificadas com um elevado risco de atravessamento devido às velocidades praticadas e às reduzidas condições de visibilidade no avistamento dos comboios”, assinala a REFER.

Na Linha do Minho, foram também concluídos os trabalhos de automatização de quatro passagens de nível (PN) aos km 40,818, 107,508, 115,053 e 124,256, respectivamente, nos concelhos de Barcelos, Caminha, Vila Nova de Cerveira e Valença.

Estas acções inscrevem-se no Plano de Supressão e Reclassificação de Passagens de Nível assinala ainda o gestor: ” a REFER tem em curso desde 1999, e que permitiu suprimir mais de 65% das PN existentes e melhorar as condições de segurança em cerca de 700 das que subsistem, com um investimento global na ordem dos 350 milhões de euros, tendo em vista a redução do número de acidentes e vítimas nestes atravessamentos, e que tem vindo a ser acompanhado por campanhas de comunicação, educação e sensibilização.”

No corrente ano, e dando cumprimento ao previsto no Plano de Acção para a Segurança no Atravessamento da Via Férrea, foram suprimidas mais 15 PN e melhoradas as condições de segurança de outras 30, nomeadamente com a automatização de 23 PN, com um investimento global associado de 5 milhões de euros.

Para os próximos anos a REFER mantém o compromisso de dar continuidade ao seu plano de ações visando a redução da sinistralidade nos atravessamentos ao caminho-de-ferro, tendo como objectivo para 2020 a diminuição de mais 40% dos acidentes em PN, por referência a 2013, isto é, menos de 17 acidentes anuais.

(REFER/redacção)