free web
stats

300 mil euros para preservação do património azulejar

Azulejo de la Estación de Elvas. Acueducto de Amoreira./ Moisés Cayetano

Azulejo de la Estación de Elvas. Acueducto de Amoreira./ Moisés Cayetano

A REFER destinou cerca de 300 mil euros para preservação do património azulejar presente em estações ferroviárias. A acção de valorização visa não só a salvaguarda e preservação, mas também promover a recuperação e qualificação daquele elemento decorativo do ambiente ferroviário espalhado por várias estações do país, assinala a empresa.

No quadro de actividades previstas pode destacar-se trabalho já concluído, e acções programadas para ocorrerem durante 2015. Neste âmbito a REFER informou que já foi lançado um concurso para a execução de trabalhos de restauro dos painéis de azulejos da Estação de Elvas, na Linha do Leste.

“Inserida num perímetro de elevado valor patrimonial e cultural, a Estação de Elvas é revestida por 44 painéis de azulejos, acrescentando-lhe valor estético, histórico e cultural. Destes 44 painéis, 20 são figurativos e 24 do tipo padrão, totalizando cerca de 5 710 peças, “ sublinha o gestor sobre os azulejos produzidos em 1933 na fábrica de cerâmica Constância e na oficina de Leopoldo Battistini.

A empresa prevê ainda, no decurso de 2015, lançar o restauro dos painéis azulejares de estações da Linha do Oeste, em Mafra, no Outeiro, Bombarral, Caldas da Rainha, Valado, Óbidos e Leiria.

Ao nível de trabalho programado a norte, a REFER referiu a conclusão de ” uma intervenção de conservação dos painéis azulejares figurativos, da autoria de Eduardo Nery, “ na Estação de Contumil, na Linha do Minho.

Por outro lado, em idêntico propósito, e em resultado de um Protocolo estabelecido com a Câmara Municipal de Ovar, ” decorrem na Estação de Ovar trabalhos de conservação e restauro dos painéis decorativos que revestem a fachada do edifício de passageiros, “ cuja conclusão a REFER  estima a curto prazo. Ainda englobado no Protocolo ” será ainda desenvolvida uma intervenção do mesmo teor na Estação de Esmoriz, “ que deverá acontecer no segundo semestre do ano.

No global, estas intervenções representam um investimento de cerca de 300 mil euros por parte da REFER. O património azulejar em questão, definido por elemento decorativos maioritariamente da primeira metade do Séc. XX, encontra-se presente num largo número de estações ferroviárias portuguesas. Património público muitas vezes devoluto, em linhas ou ramais já encerrados.

De qualquer forma o azulejo tem merecido especial atenção por parte da REFER, não só no que diz respeito à sua salvaguarda e preservação, mas também na sua recuperação e qualificação, contribuindo assim para a valorização do património e imagem da empresa.