free web
stats

Processo de Fusão Refer EP a 64%

Photo0223A nova etapa que se inicia a 1 de Junho, com a criação da empresa Infraestruturas de Portugal, S.A. (IP), posiciona o processo de fusão da REFER e EP a 64% da conclusão. À união jurídica das duas empresas, que marca esta etapa, segue-se a fusão operacional, já em curso, e a operação de sustentabilidade virá a seguir.

A introdução ao processo de evolução do “gestor de infraestruturas” foi avançada esta segunda-feira pela nova empresa a propósito da Sessão Comemorativa de Criação da Empresa Infraestruturas de Portugal, S.A.  A Praça da Portagem em Almada, sede da IP, acolheu o evento. A apresentação contou com a presença de Sérgio Monteiro, secretário de Estado das Infraestruturas, Transportes e Comunicações, para além de parceiros, fornecedores da IP; entidades públicas, administração e quadros da nova empresa.

No programa de intervenções, para além de Sérgio Monteiro que fechou a sessão, intervieram também o presidente da IP, António Ramalho, e   Vanda Nogueira, vogal do conselho de administração da IP.

A vogal, que abordou ” O Processo de Fusão” na comunicação inicial do programa, adiantou que a implementação da fusão entre Refer e EP encontra-se a 64% de estar realizada. Na intervenção explicou que o processo não terminou no dia 1 Junho com a materialização da IP. E explicou que se tratou de uma das 5 fases do planeamento de fusão. Plano que compreendeu, além da “Fusão Jurídica” que criou a IP, as fases do “Planeamento” e da “Gestão Conjunta”. Etapas que concorreram para formalizar a IP. A vogal deu conta também que a “Fusão Operacional” se encontra em curso, a que se seguirá a fase da “Sustentabilidade”.

Para a “Fusão Operacional” destacou como objectivos a apresentação da proposta de contracto de concessão, a migração de sistemas de informação, e a operacionalidade da IP na sede. Metas a alcançar entre o final deste mês, para o contracto de concessão, e até ao primeiro semestre de 2016 para os outros dois objectivos. Já para a “Sustentabilidade”, a vogal adiantou que serão abordadas propostas para acautelar para a rentabilidade financeira fora das soluções orgânicas já identificadas.

Intervieram ainda na sessão António Ramalho. O presidente da IP  identificou 5 desafios para a nova empresa. Destacou como prioridades a sustentabilidade da IP, a contratualização das concessões com o Estado, o investimento nas infraestruturas, a atractividade da empresa junto do sector privado, e a prioridade à meritocracia.

A sessão encerrou com Sérgio Monteiro a desejar longa vida à IP. Sobre a nova empresa adiantou ainda: “A Infraestruturas de Portugal é uma empresa ao serviço de todos aqueles que fazem da mobilidade o seu meio de negócio, ou a sua forma de deslocar no país, ou na interligação com o estrangeiro. “

A abertura da Sessão Comemorativa de Criação da Empresa Infraestruturas de Portugal, S.A. contou com o descerrar de um lápide por Sérgio Monteiro, e António Ramalho. A webrails.tv documentou esse momento que simbolicamente selou o dia.

Intervenções integrais disponíveis para subscritores AQUI