free web
stats

4%, num mínimo de 40 Euros no sector ferroviário

fernaveFIMAQO Sindicato Nacional dos Trabalhadores do Sector Ferroviário defende aumentos salariais em todas as empresas do sector ferroviário mínimo de 40 Euros. A intenção visa melhorar as condições salariais dos trabalhadores, que de acordo a ORT, não são actualizados desde 2009.

Em comunicado o sindicato aponta para a Tabela salarial e cláusulas de expressão pecuniária a necessidade de ” um aumento de 4%, onde fique garantido um mínimo de 40 Euros”. Lembra que os salários, nas empresas públicas, não são actualizados desde 2009, e “em muitos casos, até foram reduzidos”, sublinha. A não actualização desde 2009 representa menos 7,23% na retribuição do trabalho ao fim do mês, alerta o sindicato.

No caderno de encargos para as empresas do sector publico constam ainda a reposição integral dos Acordos de Empresa. Onde a organização sindical refere o pagamento do trabalho extraordinário nos termos dos AE’s, a reposição com retroactividade dos valores das diuturnidades e anuidades, e o pagamento retroactivo das evoluções indiciárias que não foram processadas nestes anos.

A reposição, junto dos ferroviários no activo e reformados, do direito ao transporte é outra das reivindicações. A concessão, no caso de ferroviários reformados, apresenta-se com um complemento de reforma. Com a alienação do direito ao transporte, via sucessivos Orçamentos de Estado, os antigos ferroviários viram a sua mobilidade reduzida, sem que houvesse a correspondente compensação monetária na reforma.

A ORT defende ainda para a CP Carga o retomar das negociação de um Acordo de Empresa. E nas empresas do grupo Barraqueiro, MTS e FERTAGUS, o aumento do salários, a negociação de Acordos de Empresa.