free web
stats

MNF movimenta locomotivas históricas no Entroncamento

mnfLoco

img: MNF

A primeira etapa do processo de movimentação de 3 locomotivas a vapor imobilizadas em terrenos Fernave para o espaço do Museu Nacional Ferroviário no Entroncamento terminam esta quarta-feira. O Museu com o apoio MSC Portugal vai deslocar os veículos históricos para as instalações do Museu, onde deverão ser restaurados e incorporar a colecção da instituição.

O anuncio da intenção de recolher e restaurar as locomotivas a vapor CP 357 de 1911, CP 262  de 1899, e a CP 832 de 1947, para o Museu foi avançado em Abril pela Fundação Museu Nacional Ferroviário (FMNF). Uma situação só possível derivado ao apoio de um mecenas, adiantou na altura o Museu, revelando mais tarde tratar-se da MSC Portugal.

A empresa dispõem de uma presença marcada no Entroncamento. Na parte sul do complexo ferroviária detém um porto seco para distribuição de carga contentorizada. E com a finalização da compra, já este ano, da CP Carga passou também a ter um papel mais activo no transporte de cargas pelo modo ferroviário.

Artigo completo encontra-se disponível para subscritores.

A movimentação das locomotivas, imobilizadas à décadas, compreendeu duas partes. Primeiro, no modo rodoviário, com o carregamento dos veículos no terreno da Fernave para camião, para transporte e descarga numa via cedida pela EMEF já no parque oficinal. À razão uma máquina por dia. Depois, no modo ferroviário, o transporte em linha até às instalações do Museu.

A locomotiva CP 357, construída entre 1911 e 1913 na Alemanha, pela firma Henschel & Sohn, seguiu na segunda-feira, dia 1 de Agosto até terrenos da EMEF. A CP 262, locomotiva construída pela casa francesa Fives-Lille, foi transportada na terça-feira. Com a descarga do modelo  CP 832,  construída em Espanha pela Maquinista Terrestre y Marítima – Barcelona, esta quarta-feira, encerrou-se a primeira parta da movimentação.

Depois, na segunda parte, embora ainda não esteja agendado, o transporte das locomotivas – em linha do parque EMEF até ao Museu – será assegurado pela MedRail (ex-CP Carga).

Derivado à etapa ferroviária, e ao estado de imobilização dos veículos, procuramos apurar a participação da EMEF. Fonte próxima do processo que  se resume ao apoio à descarga.

No entanto, convêm lembrar que uma vez em circulação as boas práticas para a movimentação deste tipo de material implica a lubrificação das chumaceiras, assegurando uma boa articulação dos eixos com o leito, e a remoção das bielas motoras.

Artigo completo encontra-se disponível para subscritores.

No final da movimentação, do lote de três maquinas, duas serão para colocar na rotunda de locomotivas e um vai para restauro. No entanto, uma intervenção futura da entidade junto dos veículos históricos ainda não está planificada. Tudo depende dos trabalhos restauro pendentes, apurou a nossa plataforma.

A movimentação do vapor acontece numa altura em que o actual presidente do conselho de administração da FMNF, Jaime Ramos, já terminou o seu mandato. Estando em aberto se será reconduzido ou não à frente da instituição. A webrails.tv sabe que da parte da CP existe algum desconforto face a Jaime Ramos, mas uma decisão final deverá caber à Tutela, e está em aberto.