free web
stats

Namibe-Lubango sem passageiros no CFM

O operador ferroviário do sul de Angola não está a transportar passageiros no troço Namibe-Lubango do Caminho-de-Ferro de Moçâmedes (CFM). Estudo de mercado do CFL indica a inexistência de população para a realização de rotas específicas, no entanto a empresa espera com o transporte de mercadorias inverter a situação.

Em declarações ao jornal de Angola, o delegado do CFL Manuel Candacanda, “salientou que só não se efectua o transporte de passageiros, porque o estudo de mercado da empresa indica a inexistência de população que justifique a realização de rotas específicas”, em função dos custos operacionais avultados do próprio caminho-de-ferro.

Neste sentido, explicou, para o troço Namibe-Lubango, “está a ser efectuada a circulação de mais comboios de mercadorias, com a transportação de combustível para a Huíla e de gás butano para o Cuando Cubango, bem como tem estado a transportar os equipamentos que estão a servir de montagem na zona de produção mineira do Cuchi, o chamado ferro guza”.

Para conseguir justificar a introdução de passageiros, o delegado do CFM esclareceu que a administração da empresa pretende atingir com maior variedade de comboios de mercadorias.

Referiu ainda que os desafios são enormes, mas o CFM, em função das experiências, só atinge o topo da sua capacidade com o projecto mineiro de ferro. “Caso arranquem as minas do município da Jamba e de Xamutete, na província da Huíla, com certeza a empresa volta aos indicadores que já apresentou na década de 1970″, aponta.

A realização de comboios de carga semanais é variável. Isto porque o CFM só está a operar de forma expressiva para a Sonangol e a Sonagás. A pedido a empresa efectua três frequências de transporte de cisternas de combustíveis, e dois outros comboios quinzenais de transporte de gás para o Cuando Cubango.

“Na eventualidade de surgir um cliente a solicitar o transporte de madeira e de granito de Lubango para Namibe, esses comboios são variáveis”, explicou o responsável para avançar que a programação como tal do comboio num calendário tem mais a ver com o serviço de passageiros.