free web
stats

1805 futuro que futuro?

img: Phil Richards

img: Phil Richards

A reparação da locomotiva 1805 foi suspensa pela EMEF. Problemas financeiros da Heritage Traction Rail Services Ltd, empresa inglesa responsável pela recuperação do veículo, estão na origem da suspensão.

A Heritage Traction Rail Services subcontratou a EMEF para fazer a reparação da locomotiva 1805, mas como a empresa inglesa faliu, a reparação parou, apurou a nossa plataforma. Uma situação confirmada pela EMEF: “o patrocinador da reparação da locomotiva 1805, está com problemas financeiros, estando por isso a reparação suspensa”.

Recorde-se que em Julho de 2015 a Fundação Museu Nacional Ferroviário e a empresa inglesa  Heritage Traction Rail Services Ltd rubricaram um contrato que previa a recuperação da locomotiva 1805 e da automotora Allan 0304.

O estado de marcha daria lugar à gestão da locomotiva e automotora em regime de exclusividade por um prazo de cinco anos renováveis.  Na calha, explicou na altura Maria José Teixeira à webrails.tv, estava a organização de passeios ou viagens turísticas em Portugal, tendo como alvo turistas ingleses e alemães. Uma intervenção que não iria requerer qualquer encargo financeiro para a Instituição, destacou.

A reparação da locomotiva estava inicialmente prevista para ser realizada pela própria Heritage Traction Rail Services Ltd. Como a máquina tem origem inglesa, a empresa chegou a equacionar utilizar técnicos daquele país. Para esse efeito foi aproveitado e vedado um espaço dentro da área do Museu no Entroncamento para executar os trabalhos.

No entanto, com o tempo, a Heritage subcontratou a empresa portuguesa certificada no restauro e reparação EMEF. A revisão geral de componentes, e intervenção no grupo gerador do motor diesel, estiveram na base do acordo. Ocorreu a substituição de peças desgastadas, mas a intervenção no grupo gerador do motor diesel ficou por executar.

Actualmente a máquina do acervo do Museu Nacional Ferroviário encontra-se nas instalações da EMEF no Entroncamento. A empresa de manutenção do grupo CP já começou a montar a máquina na passada sexta-feira para desocupar o espaço ocupado em oficina. A situação coloca em aberto qual o futuro para a máquina.

Contactada a Fundação Museu Nacional Ferroviário, e colocada a questão da 1805, informaram que está agendada uma reunião, que deverá ocorrer nos próximos dias, com os interessados para abordar a situação.

Um desfecho positivo, que passe por terminar a intervenção na 1805, terá de juntar FMNF, Heritage Traction Rail Services Ltd e EMEF para se chegar a um entendimento que conclua o acordo, e na eventualidade entrar um novo parceiro, refere fonte próxima do processo. Leitura diferente tem um contacto ferroviário também atento ao processo: “se FMNF e CP não estivessem de costas voltadas este problema já podia estar resolvido”, desabafa, lembrando que a EMEF faz parte do grupo CP.