free web
stats

“Iberização” do furgão CIWL da Electrotren #18203

Quando há uns anos a Electrotren anunciou que ia comercializar alguns modelos ibéricos de carruagens da CIWL em estado do final dos anos 60, fui um dos fans desse mítico material que ficou eufórico. Com a integração no mesmo grupo Hornby das marcas Rivarossi e Electrotren, parecia óbvio que essa produção pudesse acontecer com os moldes da marca italiana, famosos ao longo do tempo, como sendo de qualidade e realistas.

Foi preciso esperar cerca de 2 anos para ver esses modelos comercializados, 2 furgões, 2 restaurantes e 2 carruagens cama tipo LX. E não foi uma euforia que aconteceu, mas sim uma desilusão, pois a Electrotren limitou-se a repintar os modelos Rivarossi, utilizados nas composições além Pirenéus e colocar o lettering ibérico, esquecendo um sem-número de detalhes, entre outros, as lanternas dos acessos, a aparelhagem de frenagem na parte inferior do chassis e a sinalização de fim de composição específica de Espanha, além de que a reprodução não correspondia ao final dos anos 60, mas sim ao início.

No entanto, decidi adquirir 5 dos seis modelos em que 2 deles se poderiam adaptar à reprodução de um Sudexpresso do inicio dos anos 60. Para o início dos anos 70, a pretencao de reproduzir um Sudexpresso segundo uma famosa fotografia da La Vie du Rail, em que se podia ver uma formação composta por uma locomotiva da série 2550, 1 furgão, 2 carruagens cama e 1 carruagem restaurante, saiu à partida gorada, mas as duas LX ficaram de reserva para posterior estudo de aplicação.

Aspecto inicial (foto Electrotren)

Aspecto inicial (foto Electrotren)

A interpretação de fotografias do início dos anos 60 é de alguma dificuldade, mas percebe-se que as carruagens cama usadas na época são da família S, as carruagens cama LX apenas vieram para a Península Ibérica no final dos anos 60, e tiveram praticamente desde o início a razão social curta que começou a ser aplicada a partir de 1968. Por isso, apenas vou utilizar o furgão, que é do tipo metálico, único corrente naquele tempo na Península Ibérica, e o restaurante que não pertence à categoria dos restaurantes Pullman que vieram para a Península Ibérica apenas a partir de 1964. Esta interpretação leva à presunção que dos 5 modelos da Electrotren, podiam-se utilizar o furgão e um dos restaurantes. Neste artigo, descrevo as principais adaptações que consegui fazer ao furgão, cujo número de série é o 1274, várias vezes fotografado no Sudexpress.

A documentação de base são varias fotografias encontradas na internet e o capitulo 5.5.a.4 do livro Coches Cama, Restaurantes y Salones en los Ferrocarriles de la Peninsula Iberica, da autoria de Javier Aranguren, conhecido e reputado autor do meio ferroviário espanhol.

Para início de procedimento, haveria que resolver 2 questões, a altura ao carril e a cor do tejadilho.

Diferença inicial de alturas nos batentes

Diferença inicial de alturas nos batentes

Relativamente à altura ao carril, existem varias discussões disponíveis em vários fóruns europeus, especificamente espanhóis e franceses. Com base no que está disponível, e pelas críticas que encontrei em várias revistas, optei por normalizar a altura tendo por base as carruagens cama tipo S da Sudexpress, idênticas às da LS Models. A solução é de fácil execução, passando por eliminar a altura tipo calço, que está moldada no bugie. O desbaste foi feito por fases até acertar a altura pelos batentes das 2 carruagens. Esta redução de altura obriga também à substituição dos rodados da Electrotren, já que os verdugos passam a tocar no chassis impedindo a sua rotação, por rodados de diâmetro inferior em meio milímetro e norma RP25. Pelas experiencias que já fiz, num layout normal, curvas e aparelhos de via, com carril de código 100, 83 ou 75 não encontrei qualquer problema.

Alteração do bugie

Alteração do bugie

Quanto à cor do tejadilho, apesar de ser um tema muito pouco pacífico optei também por acertar com a cor dos tejadilhos da mesma carruagem da Sudexpress, que utilizou o RAL 7012. Esta decisão tem por base a fotografia da La Vie du Rail que referi antes, onde se observa uma coerência de cor entre todos os tejadilhos. A pitura foi a aerógrafo e utilizei a tinta acrílica Model Color  70.869-cod 162 da Vallejo.

Resolvidas estas 2 questões, que já alteraram muito o aspecto geral do modelo do furgão face ao real, passei ao acerto dos detalhes: colocação das 4 lanternas de posicionamento das portas, um reservatório grande, dois cilindros do sistema de freio de vácuo e da substituição de um dos foles do bastidor da carruagem, já que o furgão segue atrás da locomotiva, e portanto esse fole deverá estar em posição recolhida.

Lanternas colocadas

Lanternas colocadas

A primeira operação consistiu na furação em cada uma das portas de acesso do pessoal para colocar as lanternas de localização das portas de acesso. Optei pelas lanternas disponibilizadas para as carruagens cama da Sudexpress, que são de muito fácil colocação. Utilizei um pequeno berbequim com uma broca de 0,5mm. A altura o furo foi tirada por aproximação das fotografias a que já me referi.

Furo para colocação do fole recolhido

Furo para colocação do fole recolhido

Para a segunda operação, infelizmente a Electrotren não colocou no saco de detalhagem nenhum fole em posição recolhida. Nem no furgão nem em nenhum dos outros modelos. Como disponho de algumas carruagens da Rivarossi, molde base utilizado pela Electrotren, procurei em todos os modelos de que dispunha, mas sem sucesso. Consultadas várias lista de peças da Rivarossi também não encontrei nada que pudesse utilizar. A solução passou por adaptar um fole recolhido da Roco, que tinha disponível em várias carruagens do início da época IV.

Fole recolhido colocado

Fole recolhido colocado

Para adaptar este fole da Roco ao furgão da Electrotren, como a furação no furgão e os clips do fole não coincidem, abri apenas um furo na parte superior da porta de intercirculação para colocar o clip superior do fole, e cortei os dois clips laterais do fole, tendo usado dois pontos de cola cianoacrilato para estabilizar e fixar esta colocação.

Existem ainda 4 pequenos pinos no furgão para acerto do fole original, que decidi não retirar, para evitar depois a necessidade de fazer um retoque de pintura, por isso abri no fole da Roco pequenas aberturas para ajuste. As fotografias que junto são explícitas da narrativa que acabei de fazer.

Peças Roco

Peças Roco

Para a última operação utilizei peças do kit de detalhe da Roco, referencia 122605, de onde retirei o depósito grande e os dois freios de vácuo que se conseguem observar nas fotografias.

Colocação dos cilindros do freio de vácuo

Colocação dos cilindros do freio de vácuo

Da mesma maneira, calculei a respectiva localização por aproximação como fiz para as lanternas. Com excepção do depósito grande que foi de colocação directa, fazendo um furo à medida, para os cilindros de vácuo foi necessário recorrer a cortes de material para adaptar ao perfil específico do furgão e utilizei também perfil de varão redondo Evergreen referencia 211. A colocação é feita fazendo alguns furos e utilizado cola cianoacrilato. Por fim pintei/retoquei com tinta preta mate.

Reservatório e freio de vácuo colocado

Reservatório e freio de vácuo colocado

O resultado final é satisfatório conforme podem ver pela imagem, tem um aspecto bastante mais próximo da realidade. Qualquer questão que me queiram por, não hesitem em me contactar através do email da redacção da WebRail.tv. Proximamente darei detalhes da adaptação equivalente que estou a fazer para o restaurante.

Aspecto final

Aspecto final