free web
stats

Apresentação de retratos “Guardas de Passagem de Nível”

A Sala do Rei na Estação do Rossio acolhe no dia 19 de Abril, pelas 18h30, a apresentação lisboeta do livro “Guardas de Passagem de Nível”. A sessão conta com a presença do autor, o jornalista Carlos Cipriano.

Sabia que em menos de 20 anos, o número de guardas de passagem de nível reduziu de 900 para apenas 99? E que existe um troço de 30 quilómetros na linha do Vouga onde os comboios têm de circular à velocidade máxima de 10 km/hora devido ao mau estado da linha? Ou que os petardos são o último recurso para avisar o maquinista de que há um obstáculo na via e o sinal de que este precisa para abrandar a velocidade?

O retrato que agora se apresenta, “Guardas de Passagem de Nível”, de autoria de Carlos Cipriano, formado em Economia pelo ISE, professor, jornalista, colaborador do jornal Público desde 1991 e director-adjunto da Gazeta das Caldas, convida-nos a embarcar numa viagem diferente, com destino a um universo anacrónico que ainda habita no nosso país. Através de uma escrita impressionista, a obra fala das vidas modestas e esquecidas das últimas guardiãs das passagens de nível em Portugal e de como os processos de automatização no sector, reformulação da cartografia e dos próprios caminhos-de-ferro têm levado esta exigente profissão à extinção. Mais do que fazer a narrativa de um quotidiano invisível ao olhar comum, o autor presta homenagem às mulheres que, em condições arcaicas e solitárias de trabalho, sujeitas ao perigo e a longos turnos de vigília, zelam – infalivelmente – pela segurança de pessoas e bens.

Na sessão de apresentação compõe ainda o painel de “Guardas de Passagem de Nível”, a investigadora Cristina Rodrigues, Nelson Oliveira, quadro ferroviário, e o jornalista Carlos Andrade, com a missão de moderar o debate.

O livro “Guardas de Passagem de Nível” insere-se na colecção Retratos é editado pela Fundação Francisco Manuel dos Santos.