free web
stats

Descarrilamento compromete ligação ferroviária por 48h – 02

As primeiras informações oficiais devem ser conhecidas com a publicação do relatório que apresente conclusões preliminares do descarrilamento, explica um contacto do sector.

Essa informação deverá ser publicada através do Gabinete de Prevenção e Investigação de Acidentes com Aeronaves e de Acidentes Ferroviários (GPIAAF), embora em Portugal, e segundo a ERA, o IMT também tenha competência na área da segurança ferroviária.

O GPIAAF, e tendo em conta a sua natureza, já anunciou que se encontra aberto um inquérito para apurar as causas do acidente.

No entanto, junto do sector quem olha de longe para a ferrovia, um descarrilamento tem dois factos concretos. A sua causa está “na infraestrutura ou no material circulante”.

No caso, aponta que o peso pode estar na manutenção da infraestrutura ou do material circulante. A questão que coloca passa por saber se o material circulante ou infraestrutura estava em condições.

Artigo completo encontra-se disponível para subscritores.

Neste caso, o facto de a infraestrutura ter vários comboios a circular durante o dia pode remeter para que o peso possa estar do lado do material. Refere sem assumir qualquer compromisso.

Outro aspecto destacado pelo antigo ferroviário passa por saber a responsabilidade do relatório.

No quadro actual, onde pessoas com conhecimento começam a ser poucas, por afastamento ou por estarem acomodadas, a perspectiva que aponta, chama a atenção para a qualidade dos relatórios produzidos. “O sector tem vindo a perder profissionais qualificados, e isso traduz-se na qualificação de quem assina e na qualidade dos documentos”.

Refere ainda que já não acompanha o sector em profundidade mas adianta que tem curiosidade em saber quem vai assinar o relatório final.

Parte 01 | Parte 03