free web
stats

ARLO, uma marca portuguesa

A Webrails.tv entrevistou no final de Fevereiro Nuno Rocha Brito, um nome sobejamente conhecido do modelismo ferroviário português. Mas é uma paixão de família, de avós a netos, que começou no final dos anos 30 do século XX, no mesmo dia e no mesmo cartório que a MAJORA, pois as famílias eram amigas.

Neste artigo publicamos um documento que é um verdadeiro tesouro, o Catálogo ARLO, do inicio do ano 1944, quando a 2ª Guerra Mundial devastava a Europa e o mundo.  Também se internacionalizou e nomeadamente exportou para o Brasil até ao seu fecho no final dos anos 50. Foi uma marca par das marcas mais antigas, com uma gama muito extensa.

Nino Rocha Brito

Nuno Rocha Brito

Após o falecimento do pai, Nuno Rocha Brito relançou a ARLO em 1995,  juntando-lhe a Micromodel, daí o nome pelo qual é conhecida, ARLO-MICROMODEL, desde 2002.

Infelizmente, voltou a vacilar com o advento do e-bay, onde apareceram preços mais baixos que os preços de revenda à distribuição! Só recentemente voltou a aparecer com as carruagens B600 da CP e prepara-se para lançar a locomotiva da CP da série 1900. Mas existem outros projectos que publicaremos na 2ª parte desta reportagem. Os kits actuais são uma forma de homenagem ao fundador da marca.

A viagem pela história da ARLO, é também um reviver das bastantes lojas que existiram em Lisboa e no Porto, todas elas revendedoras da ARLO, a esmagadora maioria hoje desaparecidas. Toda a gama que podemos ver neste catálogo, são kits originais da gama de 1944, a mesma data do catálogo, em madeira e folha de flandres, que se mantiveram em catálogo até ao seu primeiro encerramento.

Kit de ponte

Em termos de reproduções, podemos encontrar um pouco de tudo. De material ferroviário, podemos encontrar locomotivas, carruagens, inclusive uma PULLMAN, carruagem mítica da CIWL, furgões, ambulâncias postais, vagões de mercadorias, vagões cisterna, vagões frigoríficos, via e respectivos acessórios, etc..

Outra gama reproduzida são os elementos cénicos da ferrovia, pontes, um reservatório de água, edifício de gare de mercadorias e gare de passageiros, estação apeadeiro, uma grua, passagem de nível,  cabina de agulhas(!), terminais de via, sinalização, vários tipos de casas, veículos motorizados e veículos de guerra, enfim, tudo o que ainda hoje faz sentido quando o modelista pensa em avançar para a execução do seu layout.

Mod_ARLO_03

Estas reproduções tem por base originais que o fundador encontrava nas suas viagens e que adaptava ao modelismo em kit. uma das mais curiosas, é o Castelo de Chenonceau em França, de que só existiu o protótipo que está montado no layout do Nuno Rocha Brito.

Cada uma das referencias é acompanhada de uma descrição adequada, de valor informativo e histórico, podendo encontrar séries super detalhadas e séries económicas, para os mais novos.

Não podemos deixar de referir um aviso que se pode ver por todo o catálogo, para ver a importância que o fundador dava à motivação que era preciso dar ao modelista da época, “Tôdas as construções ARLO conteem o necessário para a montagem dos modêlos, incluindo madeira de primeira qualidade, peças torneadas, lixa, arame, rodas, eixos, pregos, cola, etc.” em cúmulo com o “Esclarecimento Importante” que podemos ler no final deste catálogo.

Mod_ARLO_04

Esta coleção esteve recentemente exposta no Museu de Ponte de Lima, que foi um pontapé de saída para fazer um estudo mais aprofundado do alcance que estas produções tiveram na história do brinquedo português.