free web
stats

Guarda posiciona-se na estratégia ferroviária

O “Nó Ferroviário da Guarda – Distribuição e Logística” foi o tema escolhido pela Câmara Municipal da Guarda e publicação Transportes em Revista para encerrar o ciclo de Conferências da Guarda. A afirmação da cidade num contexto económico e de desenvolvimento com ferrovia de mercadorias motivou um dia de diálogo e debate na cidade do “litoral europeu”.

Do sector ferroviário marcaram presença no programa, num alinhamento que contou com cerca de duas dezenas de intervenções, Carlos Rodrigues, Medway, Carlos Fernandes, vice presidente da IP, Carlos Vasconcelos, Presidente da Medway, Álvaro Fonseca, Director Geral da Takargo, Egídio Lopes, Director Geral da K-Log Logística.

.

O Director Geral da Takargo, Álvaro Fonseca, foi um dos players da sector ferroviário presente na Conferência “Nó Ferroviário da Guarda – Distribuição e Logística”. Interveio no painel “Guarda: Hub Ibérico de Distribuição de Mercadorias” onde apresentou a experiência da operador ferroviário. No final fez um breve balanço da intervenção para a webrails.tv .

Na leitura da Takargo o potencial do nó ferroviário, sem grandes investimentos, pode ser estimulado com a presença de um Reachtaker, “uma área para parquear e uma linha com comprimento suficiente para partir comboios”, na sessão apontou para feixe de 2 linhas com 300 metros.

Num outro plano justificou a presença, para fazer comboios, de um agregador de carga local e regional, com olhar atento para as cargas como origem e destino na região de Salamanca.

.

Na parte da manhã, depois da sessão de abertura e antes do primeiro painel estimular o debate com a assistência, coube a Carlos Rodrigues dar dar o tiro de partida com o primeiro assunto de fundo do programa. O colaborador da Medway apresentou o tema “Guarda: Hub Ibérico de Distribuição de Mercadorias”.

Enquanto gestor da infraestrutura, Carlos Fernandes, dividiu a apresentação em três partes. Deu conta do progresso de execução do programa Ferrovia 2020, intervenção na Linha da Beira Alta e troço Guarda Covilhã, e concluiu com a apresentação do Terminal Ferroviário da Guarda que se encontra inactivo.

Artigo completo encontra-se disponível para subscritores.

Além da IP intervieram Braga da Cruz, Presidente da Autoridade Portuária do Porto de Aveiro, e dois grandes carregadores da região da Guarda: Coficab e ACI-Automotive Compounding Industry.

Da parte da tarde, no painel “A importância Estratégica da Guarda nas Cadeias de Transporte e Logística”, intervieram Carlos Vasconcelos, Presidente da Medway, Álvaro Fonseca, Director Geral da Takargo, e Egídio Lopes, Director Geral da K-Log Logística.

Os dois operadores ferroviários, embora com leitura distintas, não descartaram potencial numa reactivação do terminal. O Director Geral da K-LOG Logística deixou no ar se a Guarda não podia ser hub para o tráfego de camiões com destino a França ou resto da Europa.

Artigo completo encontra-se disponível para subscritores.

“O que eu penso é que com esta abertura da IP há condições para se fazer alguma coisa”, concluiu.

Os representantes da Olano e Antran fecharam o quadro que juntou operadores logísticos.

“As oportunidades de Desenvolvimento do Económico no Interior Norte” motivaram o terceiro e último tema em debate na sessão “Nó Ferroviário da Guarda – Distribuição e Logística”. Um ponto de vista mais estrutural e politico.

A conferência decorreu no dia 21 Junho, maior dia do ano, na sede do município dos 3 ou 5 “F”. O evento foi organizado em parceria entre o Câmara Municipal Guarda e a publicação Transportes em Revista.