free web
stats

Consignada intervenção de 23 km na Beira Alta

A Administração da IP e a pasta do Planeamento e das Infraestruturas adjudicaram na tarde desta quinta-feira a consignação da empreitada de  Estabilização de Taludes na Linha da Beira Alta. No total serão cinco taludes localizados ao longo de 23 km, no troço compreendido entre a Estação do Luso-Buçaco e a Estação de Santa Comba Dão da Linha da Beira Alta, adiantou Carlos Fernandes, vice presidente da Infraestruturas de Portugal.

O Auto de consignação da obra ocorreu depois da 16h30 na Pampilhosa. A cerimónia que rubricou a empreitada contou com o ministro Pedro Marques, o administrador IP Carlos Fernandes, e o presidente da Câmara Municipal da Mealhada, Rui Marqueiro. O contrato com prazo de execução de 13 meses, no valor de 2 milhões de euros, foi assinado com a DST – Domingos da Silva Teixeira S.A. .

A intervenção vem rectificar indícios de instabilidade nos taludes que podiam comprometer a segurança ferroviária entre o PK 59,920 e o PK 82,950, identificados pela IP. O fim dos trabalho vai “assegurar o reforço das condições de segurança e circulação neste troço da Linha da Beira Alta que serve os concelhos de Mealhada e Santa Comba Dão”, adianta a empresa.

No enquadramento do Corredor Internacional Norte, a apresentação antecedeu a consignação, o vice-presidente do Conselho de Administração da IP deu a conhecer a Renovação Integral de Via a executar entre o PK 58,300 e o PK65,050.

Artigo completo encontra-se disponível para subscritores.

Até ao final de 2017 a IP tem planeadas para a Linha da Beira Alta diversas acções de melhoria das condições da infraestrutura ferroviária e de tratamento de taludes.  A verba associada às intervenções ronda os sete milhões de euros.

A Cerimónia que teve lugar na Pampilhosa marcou o arranque de uma agenda alargada do ministro do Planeamento e das Infraestruturas, Pedro Marques, e dos secretários de Estado do Desenvolvimento e Coesão, Nelson de Souza, e das Infraestruturas, Guilherme W. d’Oliveira Martins, na região de Coimbra.

Amanhã, dia 2 de Junho, o programa passa por Lousã, Miranda do Corvo, e Coimbra. Nas deslocações o ministro apresenta o projecto e calendário do futuro Sistema de Mobilidade do Mondego.

A solução, informou um contacto próximo do ministro, “visa dotar os concelhos de Coimbra, Miranda do Corvo e Lousã de um sistema de mobilidade tecnologicamente avançado, que sirva as populações com altos padrões de qualidade e eficiência, e seja economicamente viável”.

O ramal da Lousa encerrou ao tráfego ferroviário em 2010, desde então o serviço tem sido assegurado por autocarros.