free web
stats

Novo lote material abatido para sucata disponível

Novo lote de material circulante não operacional abatido da CP pode estar a concurso para ser vendido a sucateiros. A webrails.tv contactou a CP e perguntou se o abate para sucata se confirmava, o operador disse que “sim” e o processo está em curso.

Nos corredores do sector falava-se da visita de sucateiros ao complexo ferroviário do Entroncamento. A linha junto à vedação do lado do edifico da Fernave foi um dos sítios onde foram avistados. A ilustrar o quadro, se existe um concurso público, a pagina da CP Comboios de Portugal não alerta para esse facto, imprensa consultada também não, mas a empresa confirmou.

Em curso está um concurso publico mas não se sabe que material circulante não operacional abatido colocou à venda, onde, quais os prazos para apresentar propostas e respectivas condições.

Em Abril do ano passado o incumbente lançou um concurso público para a alienação de cerca de 9 dezenas de peças. Entre o material circulante não operacional encontrava-se acervo da Fundação Museu Nacional Ferroviário, e outras peças que podem ser consideradas de interesse histórico e estratégico para um museu em movimento.

No complexo os técnicos da reciclagem foram vistos na linha da Fernave onde constam carruagens Sorefame, unidades UTD e UTE. Esse material, em conjunto com outros veículos, integrou o caderno de encargos do concurso público de 2016. No entanto, mesmo depois de ter sido encontrada uma proposta vencedora, o abate para sucata previsto nesse concurso acabou por não se verificar.

O processo “ficou sem efeito por caducidade da adjudicação à empresa vencedora do concurso”, explicou a CP.

No lote de 2016, entre as peças a vender para sucata, figurava uma da Fundação Museu Nacional Ferroviário. Encontrava-se, entre a lista de material circulante, uma UTE da primeira fase da electrificação da rede ferroviária nacional: a UTE 2001.

Ao operador público, face à hipótese de um novo cenário de abate, foi colocada a questão se a unidade se mantém no caderno de encargos do concurso público.

Respondeu:”A CP acordou com a FNMF a salvaguarda de uma unidade UTE 2001, para o espólio do Museu”.

A propósito da UTE 2001, uma automotora eléctrica da primeira série, o operador explicou o processo de salvaguarda de veículos num abate para sucata:

“O material circulante que já está retirado do serviço comercial na CP e para o qual a empresa não consegue encontrar potenciais interessados na sua aquisição para futura utilização, é apresentado à FMNF para que esta fundação manifeste o seu eventual interesse histórico”.

“Não se verificando nenhuma das duas situações (interesse histórico /museológico da competência da FNMF ou viabilidade da sua alienação a terceiros), o material circulante é então destinado a abate e demolição”, remata.

A unidade tripla eléctrica, que assinalou em 2016 os 60 anos passados da entrada ao serviço na inauguração da tracção eléctrica em Portugal,  integra o acervo da Fundação Museu Nacional Ferroviário. No passado a peça foi protocolada com a instituição e encontrava-se na lista de material para sucata.

Depois de ter sido colocada e ter passado tempo numa linha ao abandono, sofreu saque e vandalismo. Em Abril do ano passado a CP adiantou que a UTE 2001 seria substituída por outra unidade que se encontrava em melhor estado de conservação. Na mesma altura, igualmente questionada, a FMNF não respondeu como é que o acervo do Museu foi parar à lista sucata.

Como foi questionada em 2016, a webrails.tv voltou a questionar a FMNF sobre a peça mas não obteve resposta até ao fecho do artigo.

Outro material presente no caderno de encargos do concurso público de 2016 estava ligado às automotoras Allan. Na lista de então figuravam dois reboques de Allan. Peças únicas defendidas para restauro dentro da entidade e peões de um Museu vivo. De acordo com a CP os “reboques não constam deste lote”.

O interesse, ou não, dessas peças também foi recolocado à FMNF, mas até ao momento não obtivemos resposta.

Na lista de material para abate em 2016 constava ainda um considerável lote de carruagens Shindlers e Sorefames, carruagem / Furgão Wagons -Lits e D’Argent, UTE’s, UTD’s, num lote com cerca de 9 dezenas de peças.

Material onde se questiona, tendo em consideração que segundo a CP está disponível a particulares, se os interessados em adquirirem carruagens sabem que existe. Material que também se questiona porque é que veículos históricos, de valor para um Museu em movimento, não servem para turismo ferroviário ou uma pequena industria de restauro. Para não falar de atrasos, supressões e comboios lotados.

Artigo completo encontra-se disponível para subscritores.