free web
stats

AR recomenda à Tutela novas formas de financiamento da FMNF

A Assembleia da República (AR) recomenda à Tutela que encontre novas formas de financiamento para a Fundação Museu Nacional Ferroviário (FMNF). Os Projectos de Resolução apresentados por deputados do BE e PS subiram ao plenário no dia 30 de Junho, sexta-feira, e foram aprovados por unanimidade.

Os documentos alertam para a necessidade de uma maior divulgação e financiamento da instituição. Identificam cortes sucessivos, através do Orçamento de Estado ou quadro regulamentar das fundações, desde 2011 no orçamento da FMNF. A cada vez menor  dotação pelos fundadores coloca em causa a viabilidade do Museu Nacional Ferroviário, alegam os Projectos de Resolução de BE e PS, que se traduzem nas recomendações ao actual Governo.

Embora neste aspecto não se refira que a partir de 2015 a FMNF abriu o Museu Nacional Ferroviário ao público, e passou a ter activos para financiar positivamente a actividade da FMNF. Ou seja, aberto o Museu devia assumir-se como financiador da missão da FMNF.

Dentro desse quadro contributivo estão a captação de público, produtos e propostas que se devem traduzir em receitas associadas a esse fluxo. Numa outra dimensão o acervo do Museu, o comboio presidencial, também ficou disponível para viagens ferroviárias.

No Relatório e Contas do ano passado, no primeiro item, o Museu apresentou uma queda na receitas que superou os 60%. De 200 mil euros em 2015 passou para 77 mil. O que será que aconteceu no Museu Nacional Ferroviário para não rentabilizar a visita de 23 mil visitantes?

Já a rentabilização do comboio presidencial, nas viagens e acordo de exploração, é um elemento que não se identifica no documento anual. Trata-se de um fonte de receita que segundo a webrails.tv apurou não existe interesse em esclarecer. Pede-se financiamento mas não se sabe quanto representa um activo que contribuiu para uma das missões da FMNF, colocar material circulante em movimento.

Outro aspecto relevante neste processo passa pela iniciativa das pastas que Tutelam a FMNF. Passado um ano sobre o fim do mandato do presidente da FMNF, os ministério da Cultura e do Planeamento e das Infraestruturas, ainda não nomearam alguém para o cargo como lhes compete. Não só não nomearam como não foram capazes de reconduziram o actual no cargo, quando este terminou o mandato em 2016. O arrastar da duas pastas promove um limbo na iniciativa da instituição, e os deputados pedem financiamento.

A webrails.tv sabe que um dos fundadores sugeriu em tempo útil à Tutela das infraestruturas um antigo quadro dos transportes com ligação à ferrovia para presidir ao Conselho de Administração. No entanto existem outras figuras que têm procurado marcar posição.

Embora se questione se para uma instituição como a FMNF o perfil não deverá ter conhecimento do modo e ser capaz de fazer pressão no sector. Saber o que existe e como se articula além de ter um voto de qualidade com conhecimento para dar nas opções técnicas. Por outro que saiba onde pressionar os parceiros e instituições.

No entanto BE e PS pedem financiamento para um estrutura em que a oportunidade da Tutela da Cultura e das Infraestruturas transforma, para citar o modo ferroviário, a ambição numa “prateleira dourada”.

Outro aspecto relevante encontra-se na comunicação e imagem do Museu e projecção para os públicos. Área em que o modo ferroviário não surge como parceiros na divulgação positiva do Museu Nacional Ferroviário.

Mesmo que de acordo com a interpretação do BE “o seu património integre parte da rota dos inúmeros amigos e estudiosos dos caminhos-de-ferro espalhados por todo o mundo”, plataformas como a webrails.tv não são consideradas.

O facto de não chegarem actividades do Museu à webrails.tv, apuramos junto de Ana Fontes, directora do MNF, deve-se ao facto da plataforma não ser um órgão de comunicação para receber comunicados.

Os projectos de resolução apresentados pelo PS e pelo BE. Em plenário foram aprovados por unanimidade, e recomendam ao Governo que encontre soluções para o financiamento do Museu Nacional Ferroviário (MNF) e promova a sua valorização e promoção.