free web
stats

Eixos variáveis: construção de vagões não está entre as prioridades da CAF

A produção de vagões de mercadorias com eixos variáveis não está entre as prioridades do construtor espanhol CAF. A possibilidade de investigar para fabricar material abaixo dos 400 mil euros, ou de valor acrescentado, não estimula o fabricante a regressar a esse tipo de veículo.

A empresa já produziu vagões de mercadorias mas a concorrência internacional, adiantou o técnico Mário Vieira da CAF no XXI Congresso da ADFERSIT, tornam pouco viável retornar a apostar nesse material circulante e utilizar a tecnologia de eixos variáveis para o transporte de carga.

Artigo completo encontra-se disponível para subscritores.

A hipótese da CAF apostar na investigação para voltar a produzir material circulante de mercadorias, com eixos variáveis e valor acrescentado a a custos inferiores aos actuais, colocou-se no painel “Inovação Ferroviária” no XIII Congresso da ADFERSIT. Integraram o painel Augusto Franco da Nomad Tech e Eduardo Craveiro da Siemens.