free web
stats

Douro: IP pondera interrupção temporária entre Marco e Caíde

Marco de Canaveses - Estação da CP sem comboios entre Lousada e MarcoA Infraestruturas de Portugal pondera interromper temporariamente a circulação ferroviária no troço Caíde – Marco da linha do Douro. A solução só será válida caso se considere como a melhor opção para terminar as obras necessárias à electrificação do troço, adianta a empresa.

A IP apresentou a hipótese em reunião recente junto de autarcas e utentes em Marco de Canaveses. A interrupção de três meses foi colocado na reunião, e apresentada como umas das soluções que podem acelerar a conclusão do prolongamento da tracção eléctrica da linha do Douro até àquele conselho.

Contactada a IP sobre a hipótese de interrupção temporária da circulação ferroviária no na linha do Douro, esclareceu:

“Trata-se neste momento de um cenário que está a ser ponderado, tendo inclusivamente sido já discutido com os autarcas de Marco de Canavezes e representantes da Comissão de Utentes. Caso se considere esta como a melhor solução, permitindo a efectiva concretização dos trabalhos e a rápida disponibilização aos utentes de um serviço ferroviário de qualidade, a IP irá previamente reunir com os operadores e entidades reguladoras”.

No processo de electrificação que se encontra suspenso a IP apurou que é necessário intervir também nos túneis do troço, e que corredor está degradado. O projecto inicial previa 6,2 milhões de euros para apenas electrificar e instalar sinalização electrónica nos 14,4 km da obra.

Entretanto, com a saída de cena empreiteiro e subempreiteiro por razões económicas, concluiu que a electrificação necessita do rebaixamento de túneis. De acordo com o Público: “vai ser necessário escavar a própria rocha para os aprofundar”. Entre Caíde e Marco existem 3 túneis: Tapada (1086 m), Gaviarra (258 m) e Campainha (227 m).

A outra situação colocada pelo jornal aponta para a plataforma e super-estrutura. Refere que o gestor da infraestrutura ferroviária “descobriu agora que a infra-estrutura está demasiado degradada e precisa de ser substituída” com uma Renovação Integral de Via (RIV).

A intervenção está a ser preparada pela IP: “A Infraestruturas de Portugal está a desenvolver a reformulação do protejo para posterior relançamento de uma empreitada com carácter urgente. Está também já em curso o projecto da RIV do mesmo troço tendo em vista a sua execução, numa empreitada única, em simultâneo com a conclusão dos trabalhos nos túneis e da electrificação”.

Recorde-se que a  consignação da empreitada de electrificação, troço de 14.4 km entre Caíde e Marco de Canaveses, teve lugar em  Maio de 2015 no Museu Nacional Ferroviário. Intervenção orçada então pela REFER em 6,2 milhões de euros, e conclusão prevista para Agosto de 2016.

Ambos os projectos, adiantou a IP, estarão concluídos durante o mês de Outubro, prevendo-se que o processo de contratação do novo empreiteiro possa ser lançado no início do mês de Novembro. Na planificação da nova intervenção não foi apontada data para a extensão das circulações com unidades eléctricas até à estação de Marco de Canavezes.