free web
stats

APAC promove visitas guiadas ao MNF

nohab_0111

img: APAC

A APAC – Associação Portuguesa dos Amigos dos Caminhos de Ferro promove nos próximos dias 14 de Outubro e 11 de Novembro visitas guiadas ao Museu Nacional Ferroviário (MNF) no Entroncamento. Inserido na proposta de abordagem ao acervo do MNF está a passagem pelos trabalhos de restauro a decorrer na automotora Nohab 0111.

A associação propôs-se, através da secção de Preservação Ferroviária, recuperar o veículo do acervo do MNF. Os trabalhos de conservação e restauro começaram no inicio do mês. A visita guiada pela APAC insere-se num acordo que juntou a associação e o Serviço de Voluntariado do Museu, e entre outros aspectos procura promover a iniciativa de restauro no veículo histórico.

“Este projecto tem por objectivo o restauro da Nohab 0111, único exemplar existente da importantíssima série de automotoras diesel construídas na Suécia e que circularam no nosso país entre 1948 e 2006″, explica a associação numa nota divulgada que alerta para os trabalhos em curso.

.

O tiro de partida para a recuperação do veículo ferroviário, uma automotora diesel da década de 40 do Séc. XX, deu-se no passado dia 4 de Outubro. A acção juntou uma equipa de voluntários da secção de Preservação Ferroviária da APAC.

“A intervenção consistirá, numa primeira fase, no restauro estético da automotora, para a qual contribuiremos com trabalho voluntário, e na angariação de apoios para uma fase posterior de restauro funcional”, elucida a associação.

Para ilustrar o desafio que quer – em duas fases distintas – devolver o estado de marcha ao veículo, colocamos a João Cunha, um dos rostos da secção, algumas questões:

weberails.tv – como surgiu e ganhou forma a oportunidade de recuperar a Nohab 111?

João Cunha – Está agora a fazer 13 anos que decidimos que queríamos assumir a recuperação de peças como as Nohab. As tentativas sucessivas e as frustrações permitiram aprender, a APAC virou-se também para estas abordagens e aqui estamos. Foi só estudarmos o assunto e apresentarmos uma proposta sustentada ao Museu Nacional Ferroviário e do trabalho conjunto nasceu esta iniciativa inédita.

WR – que desafios coloca a sua recuperação?

JC – Fundamentalmente financeiros. Temos já receitas da revista Trainspotter mas necessariamente precisaremos de mais verbas. Naturalmente há constrangimentos de tempo dos voluntários, mas isso no limite o que fará é prolongar o restauro, nunca impedir o desenvolvimento do projeto.

WR – quais a etapas e qual o calendário de execução deste projecto?

JC – Não temos calendário fechado – tentaremos trabalhar o mais rápido possível e superar os problemas da forma mais criativa possível, mantendo todos os elementos originais da automotora. Fundamentalmente começa por limpeza geral, estancar degradação e depois atuar na recuperação de interiores e exterior.

WR – quem quiser participar como o pode fazer?

JC – Temos a nossa página web (www.caminhosdeferro.pt/preservacao) com os contactos, além dos habituais da Associação, e que também podem ser utilizados. Claro que não será de admitir uma equipa de tamanho infinito porque a consistência e o trabalho de equipa são fundamentais e isso exige continuidade. Mas há muitas outras coisas onde precisamos de ajuda: comunicação, futuras angariações de financiamento, temos um livro em preparação…

WR – existem facilidades na deslocação para quem for da região norte ou sul se deslocar ao Entroncamento?

JC – O Entroncamento tem a vantagem da localização ser central e assim permitir deslocações ágeis e relativamente rápidas. Não é um constrangimento.

WR – além do MNF existem outras entidades sensibilizadas do sector para colaborar na recuperação?

JC – Temos a certeza que sim, mas estamos só agora no processo de alargar horizontes institucionais para este projeto.

WR – existe alguma possibilidade da peça voltar a andar quando se sabe que o Museu não tem tido uma postura de salvaguarda de peças?

JC – Discordamos claramente da segunda parte da pergunta: como em tudo na vida há prioridades e encontrar modelos de negócio para peças vivas, em ordem de marcha, não é fácil! Acreditamos que a ajuda de uma Associação como a APAC e dos entusiastas em geral é fundamental para viabilizarmos tal pretensão no futuro. Claro que ambicionamos a ter a 0111 funcional.

WR – ainda existe capacidade técnica para fundamentar esse passo?

JC – Sim, essa questão não se coloca até porque estamos na presença de um veículo funcionalmente muito simples.

.

O projecto de restauro tem ainda em preparação um livro sobre a história da série. Adianta a associação: “Como parte do projecto está prevista a edição de um livro comemorativo dos 70 anos das Nohab em Portugal, cuja investigação e escrita já decorre”.

As receitas da publicação do livro revertem a favor restauro da Nohab 0111.

Visitas guiadas ao Museu pela APAC

As visitas decorrem, nos dias 14 de Outubro e 11 de Novembro, entre as 14h00 e as 17h00. A disponibilidade está limitada a 6 seis vagas, para cada um dos dias.

A participação é gratuita estando incluída no valor do ingresso no museu. Para mais informações: serviçoaocliente@fmnf.pt | Tel: 249130392 ou apac@net.sapo.pt.