free web
stats

150 anos do nascimento de Jorge Colaço

img: HombreDHojalataJorge Colaço, nome conhecido no meio ferroviário por quem gosta de estações e azulejos, vai ser alvo de homenagem ao longo de 2018.

Este ano assinalam-se 150 anos do nascimento e há um programa em agenda para recordar o homem e a obra.

No âmbito das comemorações o programa inicia-se em Fevereiro e estende-se até Dezembro.

Assim, já no próximo dia 26 de Fevereiro o Museu de Cerâmica de Sacavam, acolhe a “Conferência Jorge Colaço – Conhecer, Divulgar e Preservar”.

Trata-se de uma iniciativa da Câmara Municipal de Loures, “dedicada à vida e obra deste mestre pintor de painéis de azulejo da Fábrica de Loiça de Sacavém, e que marca a abertura oficial das comemorações dos 150 anos do seu nascimento”.

Dentro da temática ferroviária recortam-se as comunicações “Azulejos Artísticos de Jorge Colaço nas estações ferroviárias portuguesas”, por Tiago Borges Lourenço (Instituto de História da Arte, FCSH, Universidade Nova de Lisboa).

Um pouco depois será a vez de “A Estação de Porto-São Bento e a obra de Jorge Colaço”, por Ana Sousa (CP Comboios de Portugal, E.P.E. – Arquivo Histórico), Paula Azevedo (IP Infraestruturas de Portugal – Património Histórico e Cultural) e Pedro Almeida (IP Infraestruturas de Portugal – Direcção de Gestão da Rede Ferroviária).

Durante a conferência, refere ainda a nota do município, serão apresentadas as restantes iniciativas que irão decorrer ao longo do ano de 2018, dinamizadas pelos parceiros do Município nestas comemorações.

No entanto é possível adiantar que, durante o mês de Outubro e Novembro, a estação de São Bento, no centro do Porto, recebe “Estação de São Bento e a Obra de Jorge Colaço”. A exposição começa a 5 de Outubro e prolonga-se até dia 30 do mês seguinte.

Em Novembro, também no Porto, a Fundação Instituto Arquitecto José Marques da Silva reedita o livro “Estação de São Bento”.

No mês de Dezembro o programa remete para a  exposição “Jorge Colaço e a Azulejaria Figurativa do seu Tempo”, promovida pelo Museu Nacional do Azulejo.