free web
stats

Conversas “Boa Viagem!” arrancaram este Sábado

boaViagemTeve inicio este sábado, 3 de Fevereiro no Palácio da Cidadela de Cascais, o ciclo Conversas “Boa Viagem!”, alusivo à exposição «De Lisboa até à Guerra. 100 anos da primeira visita de Estado».

O sinal verde no inicio da marcha para este programa abriu com a componente ferroviária da viagem e o protocolo nas visitas Oficiais e de Estado.

O encontro com a história, na tarde de sábado, repartiu-se em duas partes. Entre as 15h00 e as 16h00 intervieram Fernando Pedreira e Hugo Pereira, com base no tema “Viajar para longas distâncias em 1917 | O Comboio Presidencial”. Na segunda, entre as 16h30 e as 17h30, Manuel Corte Real emprestou dimensão ao protocolo em “As visitas de Estado: ontem e hoje”.

O estudioso da temática ferroviária, associado da APAC, Fernando Pedreira, abordou a composição e a deslocação ibérica na textura ferroviária da viagem de Estado. Apresentou a composição, onde falou das locomotivas usadas em Portugal e Espanha, as diferentes linhas e companhias que serviram o trajecto até à fronteira, e o material circulante. Aos presentes na sessão “Boa Viagem!” levou o imaginário de época, numa viagem de comboio, entre Lisboa e a fronteira francesa.

.

No final da apresentação a webrails.tv falou com Fernando Pedreira sobre a colaboração e apresentação que levou à estreia do ciclo Conversas “Boa Viagem!”

.

O investigador Hugo Pereira, que se seguiu, complementou comunicação de Fernando Pedreira. Enquadrou a evolução da ferrovia portuguesa desde a década de 50 de 1800 até pouco depois depois da viagem presidencial.

Na primeira parta da sessão investigador e estudioso convergiram na ideia de que a imprensa de época não ajudou à caracterização do comboio usado pelo chefe de Estado e comitiva. A informação disponível em jornais e revistas mostrou-se dispersa e oposta nas descrições com várias versões para mesmo assunto.

Para Hugo Pereira a pouca nitidez da viagem nesse aspecto não se justificou só na censura exercida à época. A conjuntura era de guerra e a segurança da deslocação podia ser posta em perigo com a exposição de detalhes, explicou.

Mas não seria só a reserva a concorrer para a pouca nitidez da locomotiva e material circulante usado no comboio especial que chega aos nossos dias.

O enraizamento do modo de transporte em 1917, por essa altura a ferrovia levava mais de meio Século de implementação no terreno, retirou o brilho e interesse da imprensa escrita nas descrições pormenorizadas da constituição de comboios dos  primeiros tempos.

“As visitas de Estado: ontem e hoje”

A segunda parte “As visitas de Estado: ontem e hoje” foi dedicada ao protocolo das viagens de Estado e visitas Oficiais. Manuel Corte Real, antigo Chefe de Protocolo de Estado, partilhou com os presentes a experiência, e o estudo, “na organização de deslocações de Presidentes da República ao estrangeiro e visitas Oficiais de Chefes de Estado a Portugal”, adquirida no desempenho do cargo e como pessoa formada em História.

Artigo completo, 1310 palavras, encontra-se disponível para subscritores.

A rematar, como que a recomendar a próxima sessão do ciclo de conversas “Bernardino Machado: professor, político e homem da Ciência”, Corte Real lembrou que parte do sucesso desta jornada também se deveu à personalidade .

Bernardino Machado era “fluente em Francês e alemão”, um politico experimentado, homem culto e com uma personalidade determinante.

As Conversas «Boa viagem!» continuam a 17 e 3 de Março no Palácio da Cidadela de Cascais.