free web
stats

Abertura de Procedimento de Classificação do Complexo Ferroviário do Barreiro

A Cooperativa Cultural Popular Barreirense decidiu saudar o Movimento Cívico esta saudação e à Associação Barreiro – Património, Memória e Futuro, pela Abertura de Procedimento de Classificação do Complexo Ferroviário do Barreiro.

.

Abertura de Procedimento de Classificação do Complexo Ferroviário do Barreiro

Saudação

De 2000, ano em que é solicitada a classificação de bens patrimoniais deste Complexo, por um anónimo, até 25 de Setembro de 2017, data do Despacho de abertura de procedimento de classificação, muita tinta correu e muito do património se degradou ou destruiu.

Foram realizadas visitas, estudos, pareceres, pedidos de fundamentação, foi criado, por despacho do secretário de estado das Obras Públicas, Transportes e Comunicação, um Grupo de Trabalho Conjunto que integrava a Câmara Municipal do Barreiro, a Baia Tejo e a REFER (Rede Ferroviária Nacional).

Ao longo destes 17 anos, foram sendo sucessivamente envolvidas a DRCLVT (Direcção Regional de Cultura de Lisboa e Vale do Tejo), o IPPAR (Instituto Português do Património Arquitectónico), o IGESPAR (Instituto de Gestão do Património Arqueológico), a DGPC (Direcção Geral do Património Cultural), a CMB (Câmara Municipal do Barreiro), a SEOPC (Secretaria de Estado das Obras Públicas, Transportes e Comunicação), um Grupo de Trabalho que integrava a CMB (Câmara Municipal do Barreiro), a Baia Tejo, e a REFER (Rede Ferroviária Nacional), o qual, no âmbito do desenvolvimento do PUTQAE (Plano de Urbanização do Território de Quimiparque e Áreas Envolventes), equacionou também o património ferroviário, o MNF (Museu Nacional Ferroviário).

Desde 2013 e de forma persistente o Movimento Cívico de Salvaguarda do Património Ferroviário do Barreiro solicitou e fundamentou a classificação de “interesse municipal e/ou nacional” de algum do património ferroviário existente no Barreiro, entregando os respectivos requerimentos iniciais. Em 28 de Outubro de 2015, o mesmo movimento organiza reunião, aquando da visita do coordenador da UCC (Unidade de Coordenação de Classificação) e em 2016 propõe a classificação de peças de material circulante existente no Barreiro e justifica a proposta.

Deste longo percurso descrito em traços muito gerais e lacunar por isso mesmo, chegamos finalmente, por despacho de 25 de Setembro da Direcção Geral do Património Cultural, à Abertura de Procedimento de Classificação do Complexo Ferroviário do Barreiro, integrando: Oficinas dos Caminhos-de-ferro, Estação Ferroviária e Fluvial, Rotunda das Locomotivas, Bairro Ferroviário e seis locomotivas, um loco-trator, uma automotora e três carruagens.

Despacho favorável ao parecer do Conselho Nacional de Cultura, datado de 20 de Setembro de 2017,que avaliou o conjunto patrimonial em apreço e concluiu que se trata de um património com “excepcional significado e dimensão rara, a tal ponto que a sua importância ultrapassa o contexto local e regional, assumindo-se como lugar/sítio/paisagem únicos no território português”, finalmente e felizmente se tornou evidente a verdadeira dimensão do património do Complexo Ferroviário do Barreiro.

De salientar em todo este processo a decisiva importância da acção de cidadãos organizados formal ou informalmente, da sua atenta participação cidadã, resultado do conhecimento profundo do interesse patrimonial do Complexo Ferroviário de Barreiro e da relação intima entre identidade, património e desenvolvimento, conjugados com um agudo sentido de serviço público.

A Cooperativa Cultural Popular Barreirense, tomando conhecimento deste processo, da decisão de Abertura de Procedimento de Classificação do Complexo Ferroviário do Barreiro e ciente do importante significado que esta decisão tem para o Barreiro, decidiu em reunião de 15 de Fevereiro, saudar a decisão da Direcção Geral do Património Cultural, enviar ao Movimento Cívico esta saudação e à Associação Barreiro – Património, Memória e Futuro, dar conhecimento a todos os cooperadores e publicitá-la no seu facebook e site.

A Direcção da Cooperativa Cultural Popular Barreirense

Barreiro, 25 de Fevereiro, 2018

.