free web
stats

A carruagem CoRail da CP em modelismo, modelo ROCO (1ª parte)

A ROCO e a LIMA, produziram em tempos, modelos à escala H0 das carruagem CoRail da CP. Muito já se escreveu, bem e mal, sobre este modelos. Neste artigo tentaremos de uma forma simples, mostrar em alguns passos como poderemos melhorar substancialmente a aparência dos modelos ROCO, colocando-os muito próximos de uma representação à escala H0 quase perfeita. A versão em referência é a da carruagem de 2ª classe.

A chegada para breve das carruagens Sorefame da Sudexpress Scale Models, que a avaliar pelas primeiras fotografias disponibilizadas pelo fabricante, terão uma representação à escala H0 muito superior, justifica este artigo nesta altura, para que os modelos de produção mais antiga não venham a destoar das novas carruagens, produzidas com detalhes muito superiores aos usados nas produções da ROCO e da LIMA.

Carruagem CoRail da CP - Fotografia ROCO

Carruagem CoRail da CP – Fotografia ROCO

Adquiridos os modelos ROCO, quer os da primeira série fabricada com a faixa verde versão Intercidades CP, quer os da segunda série fabricada, na versão original toda em Inox correspondente ao serviço Alfa da CP, ambas as versões vem equipadas com um bugie Y32 europeu, muito semelhante ao ibérico, para a velocidade limite de 160 km/h, sem o amortecedor anti-lacete que foi instalado a partir de 2005, tendo a homologação de 200 km/h sido obtida em 2007, que implicou a alteração das matrículas UIC, para além de outros detalhes menos visíveis em modelismo.

A reprodução tem por base o modelo da SNCF, com o qual existem bastantes diferenças exteriores. No entanto, da primeira para a segunda produção houve uma alteração fundamental, a reprodução do tejadilho. A primeira produção vinha com um tejadilho com o canelado inox característico correcto, a segunda trazia o tejadilho da versão francesa, completamente diferente.

Real em cima, modelo H0 em baixo

Real em cima, modelo H0 em baixo

Para além desta diferença, fundamental no aspecto geral da carruagem, este modelos apresentam mais algumas inconformidades. Começamos pela que afecta mais o aspecto geral da carruagem, a dimensão da abertura da saia junto aos bugies, como pode ser avaliado na montagem fotográfica. Também neste caso, a reprodução deste aspecto corresponde à versão da SNCF, muito diferente da nacional. Outra inconformidade, apenas na carruagem da segunda produção, é a matrícula UIC representada. A reprodução da versão intercidades com a faixa verde está correcta, enquanto que na versão da carruagem original, foi aplicada uma matrícula UIC que só foi aplicada depois da homologação para 200km/h, coisa que na versão original nunca esteve. No entanto, no meio de tantos erros, o quadro da velocidade está correcto em ambas as versões, marca 160 km/h, de acordo com o bugie utilizado, como já referi acima. Esta correcção será feita com recurso a decalques.

A terceira inconformidade que tentaremos corrigir, tem a ver com a tonalidade dos vidros, o aspecto acastanhado real, que o modelo não reproduz de todo. Finalmente, outra correcção que faremos, de menor impacto visual, mas importante para os modelos com iluminação interior, será a melhoria do aspecto das poltronas, que já estão nas cores aproximados, faltando apenas a pintura em branco do suporte das costas e, se possível, a colocação de cortinas, que também estarão presentes nas carruagens Sorefame. Estas poltronas estiveram em serviço até ao final da renovação das carruagens em 2006. No entanto, a partir de 1999, com a desclassificação de 9 carruagens de 1ª classe em 8 carruagens de 2ª classe, com matriculas sequenciais 50 94 21-74 030 a 037, e 1 carruagem VIP, 50 94 89-74 001-9, foram introduzidas as novas poltronas na 2ª classe, que depois foram instaladas em todas as carruagens, de cor azul e com uma silhueta muito diferente da original.

Será a implementação destas 4 melhorias que começaremos a descrever, na segunda parte deste artigo.

Parte 1 | Parte 2 | Parte 3 | Parte 4