free web
stats

SMAQ reune-se dia 22 de Junho

avanca 03O SMAQ agendou para dia 22 de Junho a reunião do Conselho de Dirigentes e Delegados Sindicais da estrutura. O sindicato dos maquinistas pretende apurar o ponto de situação da actividade sindical e da posição no conflito em curso no Sector do Transporte Ferroviário.

A reunião vem na sequência de vários encontro regionais organizados pela estrutura sindical. O primeiro encontro aconteceu no passado dia 5 e o último marcado para a manhã de dia 22 em Beja.

Com o calendário o SMAQ pretende debater e esclarecer “questões sindicais e laborais atuais, respeitantes aos Maquinistas/Tração, nas empresas CP EPE, Medway e ViaPorto, onde decorrem negociações dos Acordo de Empresa aplicáveis ao Setor da Condução – Ferrovia”.

Em cima da mesa, no final, pode estar um pré-aviso de greve dos maquinistas para a semana 02 a 07 de Julho 2018. O sindicato reclama, entre outros aspectos, a aquisição de comboios e entrada de novos maquinistas.

Entretanto, a poucas horas de mais um dia atrito no sector – há greve agendada na CP nos dias 12 e 13, e para a Medway e Takargo no dia 12 – o SMAQ adianta em comunicado:

“Os maquinistas não se confrontam com outros trabalhadores ferroviários, porém, assumem a intransigente defesa à laboração que lhe é exigível, pois não se encontram em greve, assumindo o Sindicato a total defesa dos que foram agredidos e injuriados/vilipendiados no exercício da sua actividade, com actos de sabotagem dos comboios que conduziam, face ao desinteresse dos orgãos da empresa e à falta de tomada de medidas de segurança e protecção/segurança”.

Recorde-se que o dia 4 foi palco de atritos envolvendo maquinistas e grevistas no Rossio e em Santa Apolónia. O Regulamento permite que o acompanhamento dos comboios possa ser feito por um segundo maquinista. Mas em serviço comercial é ainda um limbo.

No centro do atrito está o Agente Único. O SMAQ que quer ver a prática do regime de Agente Único regulamentada na carreira de maquinista (Tracção).

A Plataforma de Sindicatos não quer que a regra passe de dois para um agente com funções de segurança nos comboios de passageiros e mercadorias.

Embora a regra até poderia ser alterada, sabe a webrails.tv, se a prática de dois agentes se mantivesse em vias com pontes e túneis. Só que a Tutela não aceita.

Pelo meio o regime já é praticado, de forma regulamentada, nas mercadorias; nos passageiros as estações em curva requerem segundo agente.

Pelo meio resta saber se temos material motor e infraestrutura para ter um agente como regra.