free web
stats

FERRO A FUNDO, um novo fabricante português

Recentemente apareceu no mercado português mais um fabricante de modelos portugueses. Em face da excelência do modelo de lançamento, uma Ealos da CP, a webrails.tv não poderia deixar de apresentar uma entrevista com o animador da marca Ferro a Fundo, que decorreu no Encontro Temático mensal do C.E.C de Julho de 2018, dedicado aos fabricantes nacionais.

Um vagão artesanal e perfeito

Um vagão artesanal e perfeito

webrails: De onde vem a ideia de formar a Ferro a Fundo?

Luís Pinto:  A ideia surgiu já algum tempo, porém, não havia condições antes de se criar uma marca para poder oferecer uma variedade de projectos diferentes e mais completos, criados de raiz e dentro dos possíveis aos modelistas portugueses, e só pouco tempo após muito sacrifício pois estas coisas envolvem algum investimento financeiro, é que foi possível.

O nome Ferro a Fundo nasce de uma homenagem “Simbólica” da minha parte a uma pessoa (Sr. Fernando Abreu) que foi meu formador e uma grande pessoa que marcou muito a minha vida profissional de Ferroviário e pessoal que infelizmente devido aos incêndios de Pedrógão Grande já não se encontra entre nós, pois era uma expressão muita usada pelo mesmo durante as formações no curso e que ficou na memória.

Detalhe da mecânica de frenagem

Detalhe da mecânica de frenagem

WR: Quem é o modelista Luís Pinto? Pertence a algum grupo de modelismo?

LP: Sobre o modelista Luís Pinto, sempre gostei da área da Ferrovia, e, como todos ou quase neste hobby foi um set de um comboio a pilhas no natal onde a via fazia um 8, que despertou o interesse de mais uma criança pelos comboios.

Em relação a Grupo faço parte dos Módulos de Comboios do Norte desde do primeiro dia que existem e que têm vindo a fazer um trabalho excepcional na divulgação deste nosso Hobby.

Vista do detalhe do chassis

Vista do detalhe do chassis

WR: A estreia da FaF com o Ealos correu conforme o previsto? Quantas unidades foram produzidas?

LP: A estreia não podia ter corrido melhor, o projecto foi divulgado no Facebook numa sexta-feira à noite e teve um impacto que não estava à espera. O público sem conhecer a marca que era algo que apareceu do nada, teve uma adesão fantástica. Pessoas que conhecia e outras com quem nunca tinha falado adoraram o produto e apostaram na marca sem me conhecerem ou conhecerem o produto e o feedback do material, não podia ser melhor.

Foram produzidos 10 sets  de 2 vagões cada nesta fase inicial.

Cada set tem um número de origem único, apesar de haver numerações idênticas em cada produção.

WR: Há espaço/mercado para fazer mais edições deste vagão? Se sim, terão o mesmo número,ou matrícula?

LP: Claro, este vagão vai ser produzido enquanto o mercado assim o desejar. No dia em que o mercado não quiser mais Ealos aparecerá outro projeto certamente para novos desafios.

Em relação ás matriculas dos vagões todas as novas edições sairão com novas matriculas (Reais) para que quem tenha adquirido algum set possa fazer a devida coleção ou uma composição sem unidades repetidas. Afinal de contas a marca só vive se os clientes gostarem do que é produzido.

WR: Qual é a ideia para novos modelos? Mais veículos de mercadorias, ou há outras ideias?

LP: A ideia para novos modelos existe e a seu tempo vai para frente a um passo de cada vez.

Em relação a ser mercadoria ou passageiros, têm os planos traçados. Alguns ambiciosos? Sim mas não os vou divulgar pois existe algum estudo a ser feito antes. E prefiro manter o projecto em segredo para o sucesso do mesmo. Antecipadamente os clientes serão os primeiros a serem informados de todos os detalhes do que se aproxima.

Detalhes: moldados e metálicos

Detalhes: moldados e metálicos

WR: As unidades vendidas são a composição entre elementos metálicos e em resinas. São produzidos em Portugal? As próximas produções vão seguir esta filosofia ou não?

LP: Sim, resina de alta qualidade e detalhagem em latão. Todo o Produto é feito em Portugal numa pareceria com a Arlo-Micromodel e eventualmente outras marcas subirão a bordo..

Logo a garantia do produto é o que já conhecemos, se houver algum defeito de fabrico está sempre protegido e não só após 2 anos. Mas também mesmo no caso em que alguma peça se danifique por acidente, é só contactar a FaF para tratar da reparação da mesma e caso haja valores, orçamentar os mesmos.

WR: A produção é portuguesa?

LP: Sim! 100% portuguesa. Porem não consegue ter os custos de uma produção exterior onde são feitas grandes quantidades, mas não vejo nisso um problema, bem pelo contrario tem mais qualidade na minha opinião e posso acompanhar o projecto do inicio ao fim, mas independente disso não faço questões que seja fora!

WR: Se potenciais interessados quiserem contactar a Ferro a Fundo (FaF), como o podem fazer? E podem enviar sugestões para novas produções?

LP: Quem quiser contactar a Ferro a Fundo (FaF) pode fazer através do pagina ou grupo do Facebook (Ferro a Fundo comboios à escala) ou através do email ferroafundo@gmail.com

Em relação as sugestões são sempre bem-vindas, e sempre que alguém adquire algum set, peço o seu feedback do produto e o que gostariam de ver no futuro.

O vagão Ealos da Ferro a Fundo em plena via

O vagão Ealos da Ferro a Fundo em plena via