free web
stats

CP resolve supressão de comboios com ajuste de horários

supressaoA supressão de comboios de passageiros na oferta da CP Comboios de Portugal vai ser conseguida à custa de ajuste de horários.

As estatísticas da oferta vão melhorar, serão menos comboios suprimidos, mas a frequência do serviço publico vai ser mais espaçada e mais lenta.

A mexida vai permitir que o material circulante parado assim continue e que novo material possa ser encostado sem que isso resulte em menos comboios disponíveis no parque de material para responder ao horário.

Será positivo para imagem da empresa e do sector, um transtorno para os clientes do modo transporte, e mais uma nota de crédito no valor de quem gere o sistema ferroviário.

O contexto do problema é dado pelo tema de capa do Jornal Público desta quarta-feira “CP está a ficar sem comboios e à beira do colapso”. Para quem está numa rede social e tem o tema ferrovia em “on” parece uma estreia de cinema. O cartaz repete em várias sensibilidades do sector, legendas e convívio.

Confirma-se, vai  haver menos comboios e menos oferta. Confirma-se também que a solução para o horizonte de quem escolhe ou anda de comboio  vai ser ter menos opções. No máximo o cliente CP vai ter de ir mais cedo ou encontrar outra solução alternativa porque a que há não serve.

Ou seja, a melhor solução encontrada pela Tutela sectorial e gestão do operador público, para resolver a falta de ambição imprimida ao modo de transporte nos últimos anos será diminuir o serviço.

Para o horizonte da mobilidade assente na ferrovia, como se mantém ou aumenta a oferta, não há resposta. A que existe, imprimida pela Tutela e administração da CP, passa por remendar.

A CP depende da Tutela, a Tutela responde que vai haver um concurso internacional para comprar comboios novos, e no sector procura-se respostas para o horizonte próximo e o que avança não passa por alternativas ou soluções.