free web
stats

ACE de vagões pode acelerar fim do GOB

medway_vagO fim de um ciclo de reparação e manutenção de material ferroviário no Barreiro pode estar mais próximo. A materialização do ACE de vagões poderá ser o catalisador de um desfecho há muito latente para o Grupo Oficinal do Barreiro (GOB).

A criação do Agrupamento Complementar de Empresas (ACE) de vagões pode ser o golpe final para o encerramento do GOB. A EMEF, no quadro da reestruturação em curso na empresa, alerta para esse cenário.

“Em termos genéricos, estima-se que a actividade deste ACE seja concentrada no Entroncamento, e que as instalações sejam objecto de concessão pela CP ao ACE”, lê-se em nota recente da Administração para os trabalhadores.

A perspectiva vem na sequência da Medway, explica a Administração, ter apresentado uma proposta para se enquadrar a manutenção, além do parque de vagões, da frota diesel, na reestruturação da EMEF em curso.

Adianta: “Em Fevereiro de 2018, a Medway comunicou que pretende assegurar no futuro a manutenção da sua frota, quer de material motor quer de material rebocado, e para efeito propôs à EMEF, a constituição de uma ACE que assegure por um período de 3 anos, prorrogável por mais um, a manutenção não só da frota de material rebocado, como das locomotivas das séries 1400, 1900, 1930 e 1960, cuja manutenção tem vindo a ser assegurada pela EMEF”.

Sendo que no presente ainda muita da grande reparação das séries diesel do parque português tem como palco o Barreiro. Cenário que a concentração de meios no Entroncamento poderá esvaziar.

Entretanto a reestruturação da EMEF, onde a CP procura responder ao rácio de contratação de serviços da empresa, tem estar concluída até ao final do ano.

Artigo completo encontra-se disponível para subscritores.