free web
stats

Takargo parceiro na formação de Maquinistas

takargo_cereal[Artigo Actualizado] A Takargo será parceiro da Logistel na parte prática da Formação Inicial de Maquinistas (FIMAQ).

No curso o operador fará a ponte para a especialização no veículo de tracção, serviço de mercadorias e itinerários.

A Logistel agendou um curso de formação inicial de maquinistas para a segunda quinzena de Outubro, mais concretamente com inicio marcado para o dia 22.

No processo a Takargo colaborará na parte prática da formação, onde fará a ponte para a “certificação na locomotiva Euro 4000 e de vários troços da rede ferroviária nacional”, dos futuros maquinistas.

.

Tendo em consideração que a Takargo vai ser parceira no curso de formação inicial de maquinistas a ministrar pela Logistel, a webrails.tv colocou algumas questões ao operador ferroviário de mercadorias.

Webrails.tv – Como se tornou possível esta parceria?

Takargo – Sabemos que existe uma necessidade generalizada no mercado de maquinistas habilitados, necessidade essa que se acentuará nos próximos anos. Este é também o caso na Takargo, onde haverá necessidade de recrutar no curto prazo um conjunto significativo de maquinistas. Para haver um curso de maquinistas tem de haver o empenho de um operador ferroviário que assegure a parte prática e dado o nosso histórico já longo de colaboração com a Logistel na formação de ferroviários esta parceria surgiu naturalmente.

Webrails.tv – Quais são as compromissos que a Takargo assume na formação da parte pratica do curso?

Takargo – Toda a formação prática de condução será realizada nas nossa locomotivas Euro 4000. Colaboraremos também em algumas sessões do curso através da partilha de experiências de vários colaboradores da empresa.

Webrails.tv – Os formando podem ter expectativas quanto a um estágio ou colocação na Takargo?

Takargo – A nossa expectativa é incorporar no final do curso um número significativo dos formandos.

.

A formação será ministrada com o apoio da frota de 14 locomotivas Euro 4000 que integram o parque tracção da empresa e na projecção ibérica de serviços prestados pelo operador.

O transporte de milho, a partir do porto de Aveiro para região de Salamanca, é um dos últimos exemplos. No tráfego, que vem do Brasil, a empresa movimenta de comboio cerca de 900 toneladas do cereal de Portugal para Espanha.

Mas há ainda outros serviços de transporte ferroviário, com itinerários de revelo nacional e ibérico, como o transporte de madeira, papel, sucata contentores ou jet-fuel.

Sobre a oportunidade da formação a Logistel acrescenta, dada a proximidade com o operador privado, que este curso poderá ser uma porta de entrada para sector:

“No caso do exercício da função no operador Takargo, não será necessária qualquer formação complementar e, no caso dos restantes operadores, apenas serão necessárias formações complementares e pontuais, em função de algumas normas e procedimentos específicos desses operadores e de outras unidades motoras e itinerários em que seja necessário virem a desenvolver a sua atividade”.

Embora não seja certo se haverá integração dos futuros maquinistas com aproveitamento, é de referir que existem premissas diferentes quando o tema é contratação no sector público ou no sector privado.

Ingressar na CP, operador público, só através de concurso público. A abertura e o número de vagas requer autorização do ministério das Finanças.

Já no privado de mercadorias, tanto Takargo como Medway, que também detém Euro 4000 no seu parque de tracção, não existe essa autorização e contrata-se conforme as necessidades.

Actualizado a 29.09.2018 com as questões colocadas à Takargo