free web
stats

Deputados visitam MNF esta sexta-feira

mnf2501Está agendada para esta sexta-feira a visita de deputados de vários grupos parlamentares da Assembleia da República, eleitos pelo círculo eleitoral de Santarém, ao Museu Nacional Ferroviário no Entroncamento. A necessidade de financiamento da instituição também marcará presença.

Estão confirmadas, escreve o MedioTejo.net, “as presenças de Hugo Costa e António Gameiro, do PS, de Carlos Matias, do BE, de António Filipe, do PCP e de Patrícia Fonseca, do CDS-PP. No último caso, a visita será no dia 20 por indisponibilidade de agenda da deputada no dia 19″.

A publicação refere que o anúncio do convite e confirmação teve lugar na segunda-feira, em reunião de camarária, por Jorge Faria, presidente da CM do Entroncamento, depois de abordar a situação financeira da instituição que classificou de “grave”.

Segundo o autarca, “o défice de financiamento anual andará, em condições normais, à volta dos €800.000,00”. E por esta altura, refere a publicação, o financiamento “teria de ser superior a um milhão de euros para resolver a situação actual”.

As entradas, o aluguer de espaço e o retorno da publicidade do presidencial, mais o financiamento publico, não cobrem as despesas com pessoal e fornecedores.

O ênfase do problema, para a FMNF manter as portas do Museu Nacional Ferroviário abertas, é colocado no financiamento publico. Onde a  solução defendida passa pela instituição “integrar a lista de excepções previstas no artigo 15º da Lei do Orçamento do Estado”.

A excepção irá permitir que as entidades fundadoras possam aumentar as dotações anuais para o orçamento da FMNF.

Jaime Ramos, ex-presidente da FMNF e agora vereador da CM do Entroncamento, também marcou presença no debate. Destaca-se na intervenção o financiamento perdido, cerca de 75 mil euros ano, com a saída dos Fundos do IMT do Centro Nacional de Documentação Ferroviária.

Recorde-se que o acervo esteve à guarda da instituição mas regressou ao IMT. O organismo publico considerou que com a verba atribuída à FMNF o seu Centro de Documentação conseguia fazer melhor trabalho.

Até porque a decisão não foi devido as condições do espaço ou localização, mas por causa do acesso público aos documentos.