free web
stats

Futuro de Bairro Camões em protocolo este sábado

EntronBairroFerroCamoesA Infraestruturas de Portugal, via IP Património, Município do Entroncamento e Camõescoop – Cooperativa de Habitação Económica, rubricam este sábado no Entroncamento a reabilitação do Bairro Camões.

O entendimento alcançado para a revitalização do antigo bairro ferroviário prevê, em duas fases, a recuperação e comercialização de 32 moradias, requalificação da escola de aprendizes e dos arruamentos do bairro, a executar até 2021.

Dependendo do sucesso da operação o autarca do Entroncamento, à webrails.tv, diz que existe entendimento para estender o modelo a outro bairro ferroviário: o Bairro da Vila Verde.

A primeira fase da recuperação compreende intervir no edificado e conjunto de ruas. A segunda centra-se na reabilitação da escola Camões e definição de uma finalidade para o edifício.

Reabilitação do Bairro Camões ronda os 3.6 milhões de euros

Quatro protocolos a celebrar entre IP Património, Município do Entroncamento e Camõescoop – Cooperativa de Habitação Económica, selam o projecto, explica Jorge Faria, presidente da autarquia, à webrails.tv.

Este sábado o município assina com a IP Património, sob a forma de concessão, a transferência da escola Camões. Bem como, enquanto não são desafectadas do domínio ferroviário para integrarem o domínio publico municipal, o conjunto de ruas do bairro.

A Camõescoop, uma empresa promovida pelo município para proceder à recuperação e comercialização do edificado, rubrica com a IP Património a promessa de compra e venda das 32 moradias do Bairro Camões.

O Município e a Camõescoop, por sua vez, celebram um protocolo onde a cooperativa se compromete, nos trabalhos de reabilitação das moradias, a manter a traça original do edificado do bairro, e a Câmara assegurará os arranjos na via publica do bairro.

“Conseguiu-se aqui arranjar um conjunto de instrumentos que vão permitir a recuperação do Bairro Camões numa primeira fase e a escola Camões numa segunda”, refere Jorge Faria.

Explica que para a escola Camões, segunda fase, ainda não existe uma ocupação definida. Mas esse é um desafio assumido pela autarquia, onde a solução passa por encontrar um parceiro.

Já sobre o andar do projecto, adianta que se a Camõescoop tiver sucesso, e “consiga rapidamente recuperar e vender as casas”, o modelo pode estender-se ao edificado do Bairro ferroviário da Vila Verde.

No processo a empresa terá um papel na reabitação do Bairro Camões e colocação das casas no mercado, mas para trás já serviu para contribuir no suporte financeiro da operação, sem que o projecto se torne oneroso para a autarquia, e negociar a venda das casas com a IP.

De referir que a cooperativa, no formato societário adoptado, tem como referencia a Cooptecnica – Cooperativa de Ensino e Formação Técnico Profissional ligada ao Instituto Superior de Educação e Ciência e à Escola Profissional Gustave Eiffel.

A recuperação do antigo bairro ferroviário ronda os 3.6 milhões de euros. O projecto tem avaliação e financiamento junto do IFRRU. Uma ferramenta que apoia o financiamento de intervenções na área da reabilitação urbana.

Entretanto, mesmo estando ainda na linha de partida o autarca adianta: “Nós já temos 27 pessoas que manifestaram interesse em se tornarem associados da cooperativa, na perspectiva de adquirirem uma das casa recuperadas”.

Obviamente, explica, não há compromissos, “mas já há um modelo, e preço de venda em função da tipologia”. Por isso refere, “estamos perante um projecto que vai ter sucesso, e tal como nos esperamos, daqui a dois anos, vamos reunir para inaugurar o Bairro Camões reabilitado”.

Será dentro dessa meta que Jorge Faria espera ter, ou ainda antes, o formato que permita recuperar a escola Camões e começar a intervir no Bairro da Vila Verde.

“Nos estamos a criar condições para dar uma nova vida aos Bairros Ferroviários da nossa cidade e património nacional”, remata a sublinhar a ambição do projecto.

A celebração dos protocolos tem lugar na manhã deste sábado, dia 24 de Novembro, no Centro Cultural do Entroncamento.

A cerimónia que oficializa o acordo – que conta com a presença do vice presidente da IP e administrador da IP Património, Carlos Fernandes e Nuno Neves – está prevista para o final da conferência dedicada a Cottinelli Telmo, que decorre nessa sala.

Mas o dia é de festa no Entroncamento e para o modo ferroviário destaca-se no programa a inauguração de uma exposição de pintura com foco no Bairro Camões, na Galeria Cultural. E no Museu Nacional Ferroviário que vai estar de portas abertas até às 18h00, a entrada gratuita.