free web
stats

Números oficiais de material circulante variam consoante AMT ou IMT

Em dois documentos oficiais de 2017, que servem de referencia para se analisar e argumentar o sector, os números do parque de material circulante português não combinam. Dependendo do regulador o número de vagões Medway, por exemplo, varia em perto de 400 veículos.

Diz o Relatório Anual de Segurança Ferroviária de 2017, publicado pelo IMT – Instituto da Mobilidade e dos Transportes, que a empresa detinha a 31 de Dezembro do ano passado 2917 vagões.

Contra 2598 em “O Transporte Ferroviário Nacional no contexto do Espaço Ferroviário Único da União Europeia”. Relatório editado pela AMT – Autoridade da Mobilidade e dos Transportes, que compila dados do modo ferroviário até 2017.

No total a discrepância dos números, entre o documento oficial do IMT e o relatório AMT, é de 389 veículos. Material associado ao transporte de mercadoria da Medway.

Solicitado enquadramento, até porque está regulamentado que os dados são envidados pelas empresas, obtivemos o seguinte esclarecimento:

“Os dados que o AMT divulga são respeitantes à Frota de locomotivas detida e registada em nome da Medway (onde se inclui o parque activo e o parque retirado do serviço de exploração a aguardar possível intervenção de R).
Já os dados do IMT dizem respeito ao parque em exploração (34 locos electricas, 4 Euro 4000 e 7 diesel 1900/30/60 e 14 locos 1400 de manobra), os quais foram obtidos através do RAS2017 emitido pela RS.

Relativamente a vagões no ano de 2017 tínhamos uma frota propriedade de 2917 vagões, pelo que o valor inferior apresentado será respeitante a parque activo e em exploração.

Desta forma deveremos comunicar que a diferença de valores se deve a status diferentes, pois quando nos é solicitada informação sobre parque em exploração a informação dada é sobre parque activo em exploração. Quando nos é solicitada informação sobre parque detido é dada informação sobre a totalidade de unidades de propriedade (+ as unidades que se possam encontrar em regime de aluguer, leasing, etc).

Poderemos então depreender que a Medway é bastante rigorosa no fornecer de informação para documentos oficiais”.

Ao nível do parque de tracção o Relatório da AMT diz que a Medway detém um total de 68 locomotivas em parque. Compreende 29 Diesel e 39 Eléctricas, e se inserem o aluguer de 5 locomotivas eléctricas à CP e 4 Diesel à Alpha Trains.

Do lado da Autoridade da Mobilidade e dos Transportes, a propósito da diferença, ao contrário do IMT que não respondeu até ao momento, a webrails.tv foi informada:

“Importa referir que os dados apresentados agora no relatório “O Transporte Ferroviário Nacional no contexto do Espaço Ferroviário Único da União Europeia” são reflexo do material circulante ao serviço, em parque ativo, e, em alguns casos, do material pontualmente utilizado”.

A resposta remete para o rigor do documento elaborado anualmente pela Autoridade Nacional de Segurança Ferroviária. Onde se questiona se o IMT não se cristalizou a contar o parque de carruagens que circulam na rede.

Para a entidade, no documento, as carruagens dos comboios históricos do Douro e Vouga não contam para a realidade ferroviária portuguesa. Como não contam as carruagens Schindler, que actualmente prestam serviço do enclave do Douro.

A questão é, além de Corail e Sorefames renovadas (104), não haverá mais carruagens a circular? Parece que sim, até porque a webrails.tv sabe que algumas delas já foram contabilizadas pela AMT no seu ecossistema ferroviário.

Do lado da Takargo os números também não combinam

Junto da empresa de transporte ferroviário de mercadorias foi avançado à webrails.tv que trabalham com 16 locomotivas. Entre material próprio, são titulares de 8 máquinas, e alugado ou cedido, a empresa conta com 14 máquinas diesel, série Euro 4000, e duas EE1400.

Informação que se traduz no ecossistema ferroviário da AMT em 11 locomotivas, e no relatório anual da ANSF em 18.

Se do lado da AMT até se entende, sem se saber qual o padrão, que conta algum do material ao serviço do operador. Do lado do IMT é um mistério como e onde vai buscar mais duas locomotivas em 2017.

Para a elaboração deste relatórios os reguladores contam, entre as fontes, com os dados enviados pelas empresas.