free web
stats

Tutela continua sem assinar ACE de vagões Medway

O ministro Pedro Marques continua sem assinar a criação do Agrupamento Complementar de Empresas (ACE) que junta Medway e EMEF, e em sequência autoriza alienação da Unidade de Negócio EMEF associada à manutenção de mercadorias, UMER, para o ACE.

O negócio – a fazer fé no contrato que circulou entre trabalhadores, ou até por compromissos assumidos perante o Tribunal de Contas (TdC), que terminaram dia 31 de Dezembro de 2018 – ainda não foi consumado.

A situação apurada junto do sector, é que a Tutela continua sem assinar. Fala-se que está na Tutela Financeira. Do lado do ministério do Planeamento e das Infraestruturas, colocada a questão sobre o que está a faltar para se desbloquear o negócio, a resposta é silêncio.

Entretanto EMEF e Medway continuam a dialogar para projectar o ACE no terreno. E no terreno, em circular sobre a Transmissão dos trabalhadores, a empresa do Grupo CP diz que “foram cumpridas todas as obrigações legais de informação dos trabalhadores” que constam no Código do Trabalho.

No documento é ainda referido que já o tinha avançado na informação fornecida ao CT da EMEF. Ou seja, que quem transita conserva a situação laboral, há hipótese de ficar na EMEF e em caso de dissolução do ACE o regressar à empresa.

Transitam, nesse quadro, quase quatro dezenas de trabalhadores, entre trabalhadores directos (28) e indirectos (11). Técnicos que não vislumbram o futuro no articulado apresentado quando é referido que há um contrato de três anos.

Questões como entender qual será o cenário no final da ligação continuam sem enquadramento. Como terminado contrato, está por esclarecer a passagem para a Medway com novas instalações ou num regresso eventual à EMEF, se esta ainda existirá ou se será apenas uma estrutura integrada na CP.

Parque imobilizado de vagões

Artigo completo encontra-se disponível para subscritores.

A frota do Metro do Porto é constituída por 102 veículos. Existem 72 unidades do tipo Eurotram e 30 do tipo Tram-train, produzidas pela Bombardier, antigo parceiro da EMEF na manutenção das composições.