free web
stats

A Procuradora – Manuela Moura Guedes

Reproduzimos uma reacção de esclarecimento recebida a propósito de declarações proferidas por Manuela Moura Guedes no separador “A Procuradora” do Jornal da SIC, sobre ferrovia. Trata-se de uma carta dirigida ao dirigida a Ricardo Costa director da estação.

.

Exmo. Senhor

Ouvi a Procuradora de Manuela Moura Guedes na passada segunda-feira e não pude ficar indiferente a tantas asneiras ditas sobre a ferrovia em tão pouco tempo.

Comecemos:

1. Bitola

Criticou a resposta do Ministro ainda por cima chamando-lhe incompetente.

Como não sabe, travessas polivalentes são travessas que têm três furos de cada lado que permitem a coexistência de duas bitolas, no caso a europeia e a ibérica, ou com quatro furos de cada lado que permite a mudança de bitola quando se achar conveniente.

Em Portugal existem colocadas travessas dos dois sistemas, por exemplo na zona circundante a Casa Branca.

A solução preconizada pelo nosso Governo está correta.

2. No seguimento, mostrou as linhas de Alta Velocidade espanholas quando nós não a temos nem ao que parece iremos ter. Iremos ter sim uma paralela à linha do Norte para velocidades de 250 Km por hora. O dinheiro não chega para a via convencional quanto mais para a Alta Velocidade.

A bitola espanhola para a rede correspondente à nossa presentemente é a Ibérica. Depois refere que os empresários estão fartos de pedir ao Governo para se investir na bitola Europeia, já que nós vamos ficar uma ilha (onde é que eu já ouvi isto? O grupo dos 23 cm, claro, que o Expresso publicou em exclusivo).

3. Esta é para rir.

Problemas com a bitola .

“ O Porto de Sines não vai ficar ligado à Europa”.

Se não se percebesse que era uma informação encomendada, até algumas palavras são as mesmas, esclareço que o Porto de Sines já recebe e expede contentores da China que já chegam á quase dois anos a Madrid Abroñigal e também já têm o mesmo serviço para Saragoça devendo estar a fazer quase um ano.

Os contentores com destino a Sines são encaminhados a partir de Madrid Abroñigal pela Renfe Mercancias que os entrega depois ainda em Espanha à MEDWAY (antiga CP Carga) que os transporta para o Entroncamento seguindo depois num dos comboios diários para Sines – Terminal XXI.

O Porto de Sines faz já parte da Nova Rota da Sede ainda sem expressão visível, mas que quando abrir o concurso para o Terminal Vasco da Gama, em que se espera que o mesmo venha a ser concessionado ou à COSCO ou à Shanghai Internacional Port Group (SIPG) ou a outra empresa Estatal Chinesa, já que o Estado Chinês está muitíssimo interessado neste Terminal.

Qual a finalidade?

Dar continuidade à Nova Rota da Seda por ferrovia em África.

O Porto de Sines está presentemente a expandir o Terminal XXI para poder vir a ter mais duas linhas de 750 metros, 710 metros úteis, além das duas linhas já existentes com 560 metros úteis.

Se fosse a questão da bitola não existiriam já mais de 5.000 comboios da China para a Europa e não sendo a bitola toda Europeia.

Autoeuropa

A Autoeuropa transporta os seus carros desde Palmela até ao Porto de Setúbal, não por ferrovia, mas sim por rodovia, mesmo tendo ferrovia nas instalações.

4. Novamente a bitola

Se a Procuradora soubesse o mínimo dos mínimos de ferrovia não dizia o que disse, porque Portugal começou a sua ferrovia pela bitola europeia e depois foi forçado a mudá-la para a Ibérica e aqui sim,para não ficar uma ilha.

Assim se tivesse algum conhecimento do que estava a falar saberia o mínimo dos mínimos. As mercadorias em Espanha não andam pelas linhas de Alta Velocidade.

Neste momento desconheço locais no mundo que transportem mercadorias correntes por Alta Velocidade. Pode acontecer que existam, mas com conteúdos leves para não danificar a estrutura.

Além disso estão quase a poderem ser comercializados os eixos OGI, faltando somente acabar de fazer os 150 mil Km, após já ter feito os 50 + 50 mil da primeira fase. Para cumprir o que exige a ETH, Especificação Técnica de Homologação de Material Circulante Ferroviário.

Com este tipo de rodados, os comboios de mercadorias, já que estes rodados são exclusivos para este tipo de comboios, podem mudar da bitola Ibérica para a Europeia.

Esclareço que o consórcio que é composto pelas empresas espanholas, OGI, TRIA e AZVI, pretende posteriormente incluir a possibilidade de também poderem mudar para a bitola polaca que fica entre as duas.

A patente será propriedade da ADIF por instruções do Ministério do Fomento Espanhol que foi quem mandou abrir concurso público e quem a comprou.

O Dr. Carlos Vasconcelos, Presidente da MSC Portugal e da MEDWAY esclareceu à poucos meses na Ordem dos Engenheiros, no debate sobre os 23 cm que o Expresso publicou, que os dois comboios semanais para a Alemanha foram cancelados porque os Franceses os boicotaram e não por causa da bitola.

Igualmente também pretendia transportar a partir de Portugal para a Europa camiões por caminho de ferro, e teve de cancelar o projeto porque existem três túneis a seguir a IRUN que não o permitem devido ao gabarito dos mesmos ser inferior.

Tanto ele como Frank Geitz, responsável da DB Schenker em Portugal, têm afirmado que a bitola não é problema.

5. Ligação Aveiro – Vilar Formoso

Afirma que esta ligação ficou por fazer.

Se se queria referir à ligação Aveiro (Cacia) – Mangualde com seguimento a Vilar Formoso, esclareço que a mesma foi chumbada pela União Europeia. Não uma, mas duas vezes, por falta de rentabilidade.

O Ministro Pedro Marques insiste no Plano Ferrovia 2020 – 2030 com um valor estimado de 636 milhões de Euros, quando um comboio de mercadorias, pois é por causa disso que a pretendem fazer, só tem de andar mais 30 Km. E pasme-se, o Grupo de Empresários vem agora pedir não via única, mas sim via dupla.

O Dr. Carlos Vasconcelos, Presidente da MSC Portugal e da MEDWAY esclareceu à poucos meses na Ordem dos Engenheiros, no debate sobre os 23 cm que o Expresso publicou, que o comboio de Sevilha para o Entroncamento, mesmo vindo dar a volta pelo Setil, é rentável.
A ligação Aveiro-Vilar Formoso vai sim ser feita do seguinte modo:

Aveiro – concordância da Mealhada – Luso – Guarda – Vilar Formoso e já com o sistema de sinalização Europeu, ERMTS/ETCS + GSM-R. Este sistema de sinalização, se os prazos estiverem a ser cumpridos, o que não é norma nas obras na ferrovia em Portugal, já deve estar em testes entre a Guarda e Vilar Formoso. Esclareço que a linha da Beira Baixa quando das obras de eletrificação e sinalização já ficou dotada da pré-instalação do ERMTS/ETCS.

As obras na estação da Pampilhosa e as da Concordância da Mealhada começam em 2020 e acabam em 2022 segundo o Diretório da Rede IP para 2020.

Esta concordância inicia-se na linha da Beira Alta à saída do túnel do Luso (inicio da via dupla), no sentido da Pampilhosa e acaba a 800 metros da estação da Mealhada, junto da passagem superior do IC2, já na linha do Norte.

Foi um pouco longa, mas o que foi afirmado foi tanto que o que escrevi é o mínimo.

Curiosamente não se referiu foi á cessação de funções do Diretor de Material Circulante, que contestou o prolongamento decidido pela Administração, referente à extensão do prazo de reperfilamento dos rodados das UTE 2240, curiosamente foi seguido da Lei da rolha, nem o
porquê da não autorização da compra de comboios para o Longo Curso e aqui serem os Espanhóis a colmatar a situação. Entrega do Longo Curso aos Espanhóis? O futuro o dirá.

Com os meus cumprimentos

Ângelo Júlio Antunes de Campos

.