free web
stats

DCC: Como e porquê?

Desde há algum tempo, vários modelistas têm optado por transformar os seus modelos em DCC. Mas, o que é isto? DCC significa Digital Command Control que, traduzindo para português significa Controlo por Comando Digital. Apesar de ainda haver um misto entre o DC e o DCC, esta nova era permitiu trazer grandes novidades no mundo do modelismo. De uma forma resumida, antigamente, sempre que se queria colocar um comboio a andar, todos os outros também andavam. Isto devia-se ao facto de a corrente ser variada através de um potenciómetro e, também, porque os modelos tinham a ligação ao motor directamente ligada às vias. A única forma de combater este problema seria através da ligação do “Fio Bloqueante” (Block Wiring), que apenas iria aumentar a complexidade do sistema, tal como se pode ver aqui.

Diferenças entre DC, AC e DCC. Imagem de Mark Gurries.

Diferenças entre DC, AC e DCC. Imagem de Mark Gurries.

Com a era do DCC, qualquer modelista pode controlar qualquer um dos comboios sem que os outros andem, desde que não estejam programados no mesmo endereço. Isto deve-se ao facto de, este sistema, funcionar através da variação da frequência da corrente que é enviada para a via. Enquanto que no DC, a corrente da via variada de -14.25 a 14.25 volts , em que o valor 0 significa que está parado (por exemplo), no DCC a corrente da via está sempre fixa nos 14.25 volts, havendo apenas oscilações na frequência, como se pode ver na imagem 1. Estas oscilações da frequência funcionam como mensagens que são interpretadas por um aparelho, que neste caso é um descodificador.

Neste último campo, podemos contar com diversas opções, com fio (como os de 8 pinos/fios) ou sem fio (como os de 21 pinos, Plux22 ou Next18). Porém, normalmente associam-se as opções de fio a modelos mais antigos, com mais espaço ou artesanais, e os sem fios a modelos industriais, visto serem mais práticos para o modelista colocar o descodificador. Para este último caso, normalmente vêm com um adaptador próprio para a colocar o descodificador.

dcc_dc_02

Adaptador de 8 pinos da Electronic Models. Disponível no site da marca.

Nos casos em que o comboio é antigo, muitas vezes opta-se pela colocação de um descodificador com fios, em que se fazem as ligações directas. No de 8 pinos, essa ligação é simples e pode ser facilmente feita seguindo este esquema. Mesmo assim, há quem queira ter a opção de alterar o descodificador, sendo que, se não colocar nenhum adaptador, as ligações são soldadas e, para trocar, seria um trabalho muito grande. Para isso, a marca portuguesa Electronic Models vende os sockets necessários para que os modelistas possam fazer essa operação e tenham a opção de trocar o descodificador. Por agora só está disponível a opção de 8 pinos mas, tal como foi apresentado no Evento do CIMH0, em Abril, a versão de 21 pinos irá ser lançada em breve, estando preparada para descodificadores de som (devido ao facto de ter as duas saídas para o altifalante) – algo que com o DC não dava tão bem.

Hoje em dia, o DCC está na moda, não só pelas vantagens, mas também pela quantidade de opções que fornece ao modelista, especialmente na parte dos sons. Esta nova era permite sonhar com modelos topo de gama (como a ESU tem feito, nos últimos tempos), mas também ambicionar chegar mais longe, onde se podem imaginar todo o tipo de animações dentro do comboio (sejam locomotivas, automotoras, carruagens ou vagões).