free web
stats

Sindicatos e Administração remetem acordo para dia 14

DSC07162(07.05.2013)Realizou-se, mais uma reunião com a administração da CP, embora ainda não aja acordo definitivo, existe convergência com os sindicatos em várias matérias.

Como é o caso do pagamento do trabalho extraordinário, em dia feriado, processos disciplinares motivados pelas greves que a administração considerava ilegal, que deu lugar a centenas de processos em tribunal, entre outra matérias.

Em comunicado do Sindicato dos Trabalhadores do Sector Ferroviário sobre a reunião de ontém, ” Foi uma discussão sustentada na base no acordo firmado na CP no dia 22 de Março onde foi assumido a sua aplicação a todas as empresas do grupo (EMEF e CP-CARGA). Na referida reunião a administração não se furtou à abordagem das nossas propostas mas ainda não foi possível estabelecer qualquer compromisso. Ficou claro que caso não haja entendimento sobre o conjunto das preocupações por nós elencadas e amplamente discutidas não é possível o restabelecimento da paz social.

Recorde-se que a abertura para discutir os processo disciplinares derivados das lutas laborais, a avaliação dos trabalhadores, seguro de acidentes de trabalho, concessões, e a remuneração em dia feriado, estiveram na base da suspensão das lutas no sector ferroviário a 22 de março. Lutas que promotem voltar se a Tutela, segundo os sindicatos, não assumir posição e delegar às administações respostas concretas.

Por outro lado, em comunicado a Fectrans fez saber que não houve acordo na reunião de hoje ” com a administração da CP que, nos termos do acordo de 22 de Março deveria ter lugar até 30 de Abril passado, sem que houvesse qualquer acordo como foi noticiado na comunicação social de hoje.

A confederação sindical apontou para a necessidade de haver respostas, em particular no que diz repeito à tutela, uma vez que o que está a impedir o avanço temas é o governo. “Com efeito, relativamente à situação existente antes da reunião, foi comunicado pela administração que o assunto dos acidentes de trabalho, referido no acordo de 22 de Março, será resolvido de acordo com a interpretação sindical, mas que relativamente à questão das avaliações profissionais e das concessões de transporte, não há nada de novo, porque, diz a administração, não tem aval do governo.

E confirmou dados adiantados pela comunicação social relativamente processos disciplinares e acidentes de trabalho. Onde segundo a confederação se conseguiu “avançar”.

Para dia 9 às 10,30 ficou agendada realiza-se uma reunião de estruturas de trabalhadores do sector dos transportes e comunicações. Dia em que acontece também a acção dos ferroviários reformados em defesa do direito ao transporte, na forma de uma concentração em frente à administração da CP.