free web
stats

IP e IPT participam no exercício de ciberdefesa “Ciber Perseu 19”

Interface de dados moveis ou wi fi

Interface de dados moveis ou wi fi

A IP e a IPT receberam prémios de participação neste exercício, que permitiu avaliar a capacidade de resposta do Grupo a incidentes que podem ocorrer no ciberespaço, abrangendo diversas áreas das duas empresas, sendo de destacar o envolvimento e a interação entre várias equipas internas, que foi fundamental neste teste.

O “Ciber Perseu 2019″ (CP19) testa a capacidade de resposta a ciberataques a nível nacional e contou com a participação de 42 entidades dos setores público e privado, e com a presença de militares de vários países.

Esta foi a oitava edição do exercício promovido pelo Exército português com o objetivo de exercitar e avaliar a capacidade de resposta da instituição militar e de outras entidades e empresas nacionais, face à ocorrência de ciberataques de âmbito nacional e internacional, que podem escalar para uma crise no ciberespaço.

O exercício realizou-se de 11 a 14 de novembro, na sede da Academia Militar, sob a forma Live Exercise, em que os “jogadores” das entidades participantes foram confrontados com a simulação de um cenário geopolítico, com vários eventos que consubstanciariam a escalada para uma crise, especificamente para os objetivos de treino.

No dia 14, decorreu o Distinguished Visitors Day, presidido pelo Chefe do Estado-Maior do Exército, General José Nunes da Fonseca, com a presença de representantes de várias entidades militares e civis, e dos participantes das Regiões Autónomas dos Açores e da Madeira via videoconferência.

O diretor do Exercício, Brigadeiro-General Bento Soares, apresentou os objetivos e atividades executadas e manifestou o “sentimento de dever cumprido e satisfação” pelos resultados alcançados, dando especial destaque ao grupo extraordinário e multifacetado que participou no exercício e que integrou “jogadores” da Agência Europeia de Defesa e de oito países aliados, designadamente Brasil, Chile, Espanha, França, Guiné-Bissau, Itália, Roménia, São Tomé e Príncipe e Tunísia.

O Chefe do Estado-Maior do Exército, General José Nunes da Fonseca, congratulou todas as entidades intervenientes, considerando que o sucesso alcançado foi “resultado da partilha de conhecimentos e do trabalho em rede”, sendo que “todos somos vencedores, pois todos aprendemos e inovamos um pouco mais”. Salientou ainda que o Exército, enquanto pioneiro nesta área de atuação, continuará a agir em resposta aos desafios diários, contribuindo de forma ativa para a segurança de um bem comum: o ciberespaço.

Durante a manhã decorreu uma conferência aberta ao público, sobre o tema “Estratégia Nacional de Segurança do Ciberespaço 2019-2023 – Operacionalização e Cooperação Institucional”, com a participação do Centro de Ciberdefesa, do Centro Nacional de Cibersegurança, da Unidade Nacional de Combate ao Cibercrime e à Criminalidade Tecnológica da Polícia Judiciária e do Serviço de Informações de Segurança.

Nesta sessão foram ainda entregues diplomas e prémios aos três primeiros classificados da competição a título individual “Capture the flag”, integrada no CP19 que fomenta o treino e a identificação de talentos, cujo vencedor foi o “jogador” João Domingues, da Multicert.

IP