free web
stats

Inicia em Dezembro exportação de carvão a partir de Nacala

A primeira operação de exportação de carvão mineral extraído da bacia carbonífera de Moatize, província de Tete, a partir do terminal portuário, em construção de raiz, na vila-sede do distrito de Nacala-à-Velha, em Nampula, com uma capacidade de armazenamento de 1450 milhões de toneladas, vai ocorrer em Dezembro do próximo ano.

As previsões foram avançadas ontem no decorrer de um encontro promovido na cidade de Nampula pelas concessionárias do “Corredor de Nacala”, nomeadamente, o Corredor de Desenvolvimento de Nacala (CDN), e o Corredor Logístico Integrado de Nacala (CLN). A viabilização do projecto “Corredor de Nacala” vai exigir o desembolso de uma soma estimada em 4.3 biliões de dólares norte-americanos.

A Índia, alguns países europeus, asiáticos e da América do Sul serão também os potenciais mercados do carvão mineral extraído em Moatize, cuja porta de saída será através do terminal de Nacala-à-Velha, segundo foi referido na ocasião.

Da produção global de carvão da bacia de Moatize, estimada em 30 milhões de toneladas do produto serão escoadas para Nacala-à-Velha, onde ficarão disponíveis para colocação no mercado mediante solicitação dos compradores.

Para garantir o escoamento das minas de Moatize, bem como melhorar as condições para o transporte de passageiros e carga geral ao longo do “Corredor de Nacala”, decorrem obras neste momento caracterizadas pela reabilitação e construção de raiz da ferrovia, numa extensão de 912 quilómetros. A ferrovia atravessa a vizinha República do Malawi num troço de cerca de 235 quilómetros, dos quais 135 serão constituídos de uma linha a ser construída de raiz.

Miguel Guebuza, um dos representes dos concessionários do “Corredor Nacala”, disse que o sistema ferroviário ligando a vila carbonífera de Moatize e à de Nacala-à-Velha, é um projecto de grande dimensão e complexidade do ponto de vista logístico, a decorrer ao nível dos países da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC), e que expõe a um nível elevado de risco as empresas envolvidas na sua execução.

Os comboios que assegurarão o escoamento de carvão no eixo Moatize a Nacala-à-Velha terão em média 1500 metros de extensão, pois serão compostos por mais de 100 vagões puxados simultaneamente por quatro locomotivas.

As operações normais de escoamento de carvão para o terminal de Nacala-à-Velha a partir da carbonífera de Moatize serão asseguradas por 80 locomotivas.

NOTÍCIAS
3 de Agosto de 2013