free web
stats

Entroncamento vai receber Centro Nacional de Documentação Ferroviária

Bairro_Boneco2

Bairro do Boneco Foto: CME

O Conselho de Administração da Fundação do Museu Nacional Ferroviário (FMNF) anunciou a decisão de transferir o Centro Nacional de Documentação Ferroviária (CNDF) para o Entroncamento.

Actualmente em Lisboa, alojado na estação Lisboa-Oriente, o CNDF conserva vários fundos documentais associados ao caminho de ferro. E segundo a resolução da FMNF todo esse  espólio documental será transferido  para  o Bairro do Boneco, no Entroncamento.

O Bairro do Boneco é um dos bairros ferroviários do Entroncamento. De acordo com o site da CM do Entroncamento situa-se na estrada de Torres Novas entre a Vila Verde e o Armazém de Víveres, e ” segundo testemunhos orais, à falta de outras referências, foi construído o Bairro dos Reformados, na estrada para Torres Novas, vindo a ser conhecido pela designação popular de Bairro do Boneco (consta numa planta da Estação, datada de 1920).” E descreve a estrutura de influência  nas linhas de vila operária  onde ” janelas e portas têm molduras de tijolo, e as chaminés são em tijolo de burro.”

Do espólio documental sobre a alçada do Centro Nacional de Documentação Ferroviária podem ser encontrados fundos, na maior parte, referentes ao fim do Séc. XIX e primeira metade do Séc. XX.  Essencialmente ligados a companhias ferroviárias  desaparecidas em 1947 para dar lugar à “Companhia”. Como o Fundo da Companhia Nacional de Caminhos de Ferro (1885-1947), que guarda o  acervo da Companhia Nacional de Caminhos de Ferro, criada com o objectivo de construir e explorar a linha do Tua e a linha de Santa Comba a Viseu. Ou o fundo relativo à linha da Beira Alta no Fundo da Companhia dos Caminhos de Ferro Portugueses da Beira Alta (1879-1947). Mais recentemente enriquecido com Colecção Fotográfica Varela Pècurto (1925- ), doada pelo autor ao Museu.

Depois de terminadas as obras previstas pela FMNF, de requalificação e adaptação, o Bairro do Boneco, contíguo ao edifício do antigo Armazém de Víveres, futura entrada principal do Museu Nacional Ferroviário, irá receber o Centro Nacional de Documentação Ferroviária e o espólio documental ao seu cuidado.